Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Vale não pode ser sacrificada, apenas os responsáveis diretos pela tragédia

A esquerda está fazendo com a tragédia de Brumadinho a única coisa que sabe fazer: tirar proveito político de uma desgraça com vítimas humanas. Ou seja, os oportunistas de esquerda dançam em cima dos cadáveres ainda frescos e enlameados, com o único intuito de promover sua agenda ideológica estatizante. Vários aproveitaram a ocasião para condenar a privatização da Vale em si e as privatizações em geral. É algo asqueroso de observar, ainda que nada surpreendente.

Acidentes – culposos ou dolosos, por negligência ou não – ocorrem com várias empresas, e certamente empresas estatais costumam ser menos responsáveis. Afinal, sua sobrevivência não depende de sua reputação e quando estoura uma multa bilionária isso em nada afeta seus servidores públicos. Já na empresa privada há impacto direto no bolso dos acionistas e executivos, que recebem bonificações mais variáveis e agressivas do que em estatais.

O sucesso da Vale após a privatização é estrondoso e evidente. Demonstrei por A + B em meu livro Privatize Já. Alguns à direita adotaram uma postura reativa e negam agora que a Vale foi mesmo privatizada, pois é controlada pelos fundos de pensão e o governo tem uma golden share. Besteira. Isso é fazer o jogo da esquerda, já que esse case todo de sucesso não seria resultado direto de sua venda para a iniciativa privada. Quem manda mesmo é a Bradespar, e por isso houve um choque de produtividade tão grande.

Mas… acidentes acontecem, e os responsáveis devem pagar caro por isso. É a impunidade o maior convite ao crime. Todos que tiveram dose de culpa nessa tragédia devem ser punidos, após as devidas investigações. Mas pregar, como alguns têm feito, a prisão de toda a diretoria é jogar para a plateia de forma demagógica. E tampouco pode-se deixar de fora a parcela estatal no desastre. Quem autorizou a barragem? Quem concedeu a licença?

O secretário-geral de privatizações, Salim Mattar, disse hoje que a Vale não pode ser sacrificada pela sociedade, mas sim os responsáveis pela tragédia em Brumadinho (MG) com o rompimento da barragem. “Neste desastre terrível, estou vendo a sociedade sacrificando a companhia, quando deveriam ser sacrificadas as pessoas que tomaram as atitudes”, disse Mattar, durante abertura de conferência do Credit Suisse na capital paulista

 “A Companhia não fez mal a ninguém, o CNPJ não fez mal a ninguém”, afirmou o executivo. “Os erros foram cometidos por seres humanos e essas pessoas é que devem pagar e não a companhia”, disse ele, destacando que é favor das empresas, que são grandes geradoras de emprego. Desnecessário dizer que Salim está coberto de razão. Quem está focando sua revolta toda contra a Vale em si, ou pior, contra a sua privatização, está apenas bancando o idiota útil dos esquerdistas safados.

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos