Jantar inteligente da esquerda caviar
| Foto:

Não é por acaso que o filósofo Luiz Felipe Pondé foi o convidado para escrever a orelha do meu livro Esquerda Caviar. Seu “jantar inteligente” é o típico evento da esquerda caviar. Por caminhos diferentes, acabamos falando do mesmo fenômeno. Em sua coluna de hoje na Ilustrada da Folha, isso fica bastante claro. Seguem os principais trechos:

Um dos traços essenciais de nossa psicologia é que queremos ser aceitos. Muitos filósofos, entre eles Adam Smith (1723-1790), diziam que nossa imaginação é constantemente presa à inquietação de como somos vistos pelos outros, fato este que é parte saudável da vida moral social, mas que também facilmente degenera numa angústia de dependência afetiva destruidora da autonomia.

Uma das formas mais seguras de se sentir aceito pelo grupo é desenvolver opiniões de rebanho. No fundo, temos horror a sermos recusados pelo bando, mas, hoje em dia, esse desejo de agradar é avassalador.

As redes sociais e sua mesmice brega, espaço de repetição do irrelevante, são prova de nossa condição de rebanho como pilar da (in)segurança psicológica.

[…]

A forma mais fácil de frequentar jantares inteligentes é atacar a igreja, os EUA e a polícia. Mais sofisticado, mas que também garante acesso aos jantares inteligentes das zonas oeste e sul de São Paulo, é dizer que “o modelo social está ultrapassado”. Esta frase leva algumas pessoas ao orgasmo (risadas?).

“O modelo social está ultrapassado” é a típica frase de quem quer se passar por crítico (mas, na realidade, é crítico de bolso), porque é a sociedade de mercado (ou como dizia Adam Smith, “commercial society”), a mesma que os comunistas chamam de “capitalismo”, que nos retirou da miséria que é o estado natural da vida (e à qual voltamos rapidinho se o Brasil virar a Venezuela de Chávez e Maduro).

Toda riqueza que sustenta esse povo de jantares inteligentes, a começar pelo “bom vinho em conta”, é fruto do mesmo modelo que consideram ultrapassado.

[…]

Mas o que marca essa gente bacana é que na verdade nunca fala, nem tem contato real, com as pessoas fora das escolas de R$ 3.000 que paga para os seus filhos críticos desde os cinco anos de idade frequentarem, ou do seu círculo profissional chique e/ou da praia chique onde tem sua casa de praia típica de praias chiques.

O problema, quando você é um cidadão de jantares inteligentes, é que você acaba mesmo alienado e acreditando nas suas próprias críticas de bolso. Mas vamos ao que interessa. Vamos falar de um dos tópicos que autorizam você a se achar bacana e a frequentar jantares inteligentes: a polícia.

[…]

A polícia é um dos setores mais maltratados da sociedade, apesar de essencial.

Essa gente bacana sai correndo do jantar inteligente para o carro, com medo, sonhando com um baseado e uma bike em Amsterdã nas férias.

E então? É ou não é o jantar da esquerda caviar par excellence? Já posso até ver Caetano Veloso mascarado como um black bloc, dando uma palhinha com sua viola após um bom vinho, enquanto os convidados vão ao delírio depois de atacar os policiais, que garantem sua segurança, como a coisa mais fascista do mundo…

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]