Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Enzo, de quase 4 anos, com a avó Yolanda Gevard: depois que saiu da escola deixou de pegar uma doença atrás da outra | Priscila Forone/Gazeta do Povo
Enzo, de quase 4 anos, com a avó Yolanda Gevard: depois que saiu da escola deixou de pegar uma doença atrás da outra| Foto: Priscila Forone/Gazeta do Povo

O ambiente escolar é o local onde as crianças mais têm contato com outras, inclusive da mesma idade. Independentemente dos benefícios sociais e pedagógicos, até os 3 anos de idade o contato direto com os coleguinhas pode não ser tão saudável. Segundo o imunologista do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Nelson Augusto Rosário Filho, o ambiente da educação infantil ajuda na disseminação das doenças infecciosas e, como o sistema imunológico está em formação até esta idade, o melhor é que a criança só frequente a escola depois. "Até lá, se tiver como, o ideal é que ela fique em casa."

Foi dessa forma que a administradora Kassiane Lebelem teve de agir. Seu filho Enzo, que hoje tem 3 anos e 8 meses, foi à escola com 2 anos, mas pegou uma doença atrás da outra. Cada hora era um tipo de infecção e bastava outra criança estar doente que passava para ele. "Vivíamos no pediatra. Foram dois meses assim até que resolvi tirá-lo de lá e deixá-lo com minha sogra em casa. Depois disso, nunca mais tomou antibiótico. Tudo que teve foram pequenas gripes e dores de garganta e ouvido", conta a mãe. No começo de 2011 Enzo completa 4 anos e estará com sua imunidade fortalecida para voltar ao colégio.

A coordenadora da educação infantil do colégio Dom Bosco, Márcia Abicalaf, conta que por saber que os menores estão mais sujeitos a doenças, avisa os pais logo no primeiro dia de aula para deixar o filho em casa quando estiver com alguma infecção. Mas se a família não perceber e só em sala a professora notar, a criança é encaminhada para o ambulatório da escola e a coordenação chama a família. "Se não fizermos isso, vira um ciclo: um passa para o outro e não acaba mais", diz.

Mas não é necessário que todos os pais fiquem preocupados. De acordo com o professor de Imunologia do curso de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e supervisor do serviço de imunologia do Hos­pital das Clínicas, Fábio Morato Castro, o funcionamento do sistema imunológico também vai depender de características genéticas, portanto nem todas as crianças que ficam na escola necessariamente terão várias infecções seguidas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]