Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Função

Entenda porque a vitamina D e o hormônio PTH influenciam na saúde dos ossos:

- Armazenada em nossa pele, a vitamina D é ativada pelo contato com a luz solar e auxilia na absorção do cálcio pelo intestino. Quando seus níveis são muito baixos, diminui-se a quantidade de cálcio nos ossos, o que pode levar a fraturas e até osteoporose.

- O PTH é um hormônio produzido pela glândula da paratireoide com a função de normalizar os níveis de cálcio do sangue através da retirada desse nutriente dos ossos. Em números elevados, ele pode levar à perda de massa óssea, aumentando a fragilidade dos ossos e a propensão a fraturas.

Em 2006, um caso aparentemente simples chamou a atenção da nutricionista clínica com atuação na área de metabolismo Mariana Paganotto. Uma paciente que tinha passado por uma cirurgia bariátrica havia três anos comentou que, após escorregar em casa, havia quebrado o braço.

A partir de exames mais detalhados, veio a surpresa: a paciente tinha níveis abaixo do normal de cálcio e vitamina D e sua taxa de um hormônio produzido pela glândula paratireoide, o PTH, era muito elevada. Isso significava que, por algum motivo, o organismo não estava repondo suas taxas de cálcio e vitamina D, causando uma fragilidade.

O caso intrigou tanto a nutricionista e professora do curso de Nutrição das Faculdades Integradas do Brasil que o assunto virou sua pesquisa de mestrado na Univer­­si­dade Federal do Paraná. "Verifi­quei que ao causar perda rá­­pida de peso e uma mudança na ab­­­sorção dos nutrientes, entre eles o cálcio e a vitamina D, a cirurgia bariátrica tende a gerar uma perda acentuada na massa óssea dos pós-operados, podendo levar a problemas co­mo fraturas e até osteoporose", explica.

Para realizar a pesquisa, Maria­na acompanhou pacientes que foram submetidos à cirurgia de redução de estômago há pelo menos um ano e pessoas que não passaram pelo procedimento. Na comparação entre os dois grupos, a pesquisadora descobriu que os pacientes operados tinham menor massa óssea na coluna lombar, decorrente principalmente do emagrecimento muito acelerado, da perda de massa muscular, da baixa ingestão de cálcio e vitamina D e da falta de exercícios físicos.

Apesar de os resultados poderem causar polêmica entre os defensores da cirurgia, Mariana alerta que a sua pesquisa não recrimina o procedimento. "A cirurgia traz benefícios. Proporciona perda de peso, o que diminui os riscos de diabete e doenças cardiovasculares. Meu foco foi mostrar que os pacientes precisam ser bem orientados sobre a importância da prática de execícios e a reposição de nutrientes."

Segundo a pesquisadora, os re­­sul­tados comprovam que é preciso de­­senvolver hábitos alimentares saudáveis e fazer acompanhamento nutricional por toda a vida. "Como a pessoa passa a comer pouco, precisa se alimentar com qualidade e periodicamente fazer re-educação alimentar monitorada por um profissional capacitado para saber que alimentos escolher para ter absorção máxima dos nutrientes necessários."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]