Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Você quer contribuir para o tratamento de milhares de pacientes com câncer? Uma opção pode ser comprar, simbolicamente, um metro cúbico do Hospital Erasto Gaertner – referência em oncologia na Região Sul. Isso mesmo! A instituição está promovendo uma campanha entitulada "Erasto³". Nela, as iniciativas pública e privada podem contribuir com a construção de um novo prédio no complexo, que servirá para melhorar principalmente o atendimento ambulatorial na instituição.

O projeto de ampliação começou em 2008, explica Flávio Tomasich, superintendente do hospital. "Fizemos as fundações e cobertura desse novo prédio, que terá três pavimentos e 3,5 mil metros quadrados", diz. A intenção é aumentar a capacidade ambulatorial, o número de leitos e ainda criar uma unidade de transplante de medula óssea. Para finalizá-lo, no entanto, o Erasto precisará de doações em dinheiro, já que a obra foi inicialmente orçada em R$ 12 milhões – valor bastante aquém dos cofres da instituição.

Para alavancar esta ajuda, surgiu a ideia do "Erasto³’. "Cada vez que uma pessoa ou uma empresa adere à campanha, é como se comprasse um metro cúbico do espaço que vai ser construído", explica Tomasich. O custo desse metro é de R$ 3,5 mil. Quem quiser contribuir ainda mais, pode comprar espaços maiores, como um pacote de dez metros cúbicos – ao valor de R$ 35 mil.

Todos os colaboradores recebem dois cubos feitos com madeira de reflorestamento como simbologia. "Um deles fica com o contrubuinte e o outro iremos colocar no hall deste novo prédio", expica o superintendente. Os cubos têm o nome do voluntário em uma de suas faces. Depen­dendo do valor investido, o colaborador recebe cubos especiais e até mesmo terá esculturas expostas pelos novos setores.

A finalização desta etapa do projeto de expansão da instituição deverá ocorrer até o fim do ano. "A partir daí começaremos a investir em equipamentos", diz Tomasich.

Meio ambiente

Além da expansão, o Hospital Erasto Gaertner passou por mais uma mudança no último mês, quando foi desativada a última caldeira de xisto, que era utilizada para o aquecimento de água. "Essa era uma reclamação antiga dos moradores vizinhos, pois essas produção de energia poluía o ar, sujava as roupas estendidas nos varais das casas ao lado", diz.

Para a substituição, surgiu uma solução moderna. A instituição usou célula a combustível, uma unidade de geração de energia elétrica produzida a partir de gás natural. Com este método a emissão de poluentes é muito reduzida. Outra característica importante é que este é um processo silencioso, ideal para o ambiente hospitalar.

Serviço:

Para colaborar com a campanha "Erasto³", basta ligar para 0800-643-4888 ou acessar www.erastogaertner.com.br. A prestação de contas será feita também pelo site.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]