Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 |
| Foto:

Remédio deve ser associado à atividade física

O cardiologista e diretor do Hospital Costantini, Costantino Costantini, defende a manutenção do índice de colesterol atual por considerá-lo seguro e com uma boa dimensão dos limites que devem ser respeitados pela maioria da população em relação ao LDL. O médico, porém, ressalta que, em casos que começam a preocupar, a primeira solução não pode ser a medicamentosa.

"O LDL em torno de 70 mg/dl é o ideal. O problema é que quando o paciente ultrapassa esse limite, chega ao consultório pedindo remédio. E o médico se rende e receita. Eu não faço isso. A primeira alternativa tem de ser a educação dos hábitos por meio de dieta e exercícios. Mas o paciente está mal acostumado, quer remédio primeiro", critica o médico.

Costantini diz que, caso haja histórico de infarto ou espessamento da artéria carótida na região do pescoço (que pode ser diagnosticado por meio de ultrassom), o remédio é indicado, mas nunca sozinho. Ele afirma que há quem tome até 40 mg de estatina, ao passo que ele próprio, ao fazer cateterismo, toma apenas 10 mg. "As placas de gordura eu destruí com exercícios e alimentação adequada. Nessa dose, os efeitos colaterais são baixíssimos. Mas, para receitar, é preciso que o paciente faça a parte dele."

Controle

Saiba quando é recomendado o uso de remédios para controlar o colesterol e as situações que requerem uma avaliação prévia:

Recomendado

• Após infarto ou derrame.

• Taxa de colesterol acima de 170 mg/dl.

• Paciente vulnerável a fatores de risco, como hipertensão, tabagismo, obesidade, diabetes ou histórico da doença na família.

Avaliação prévia

• Paciente com colesterol acima de 170 mg/dl, mas não possui fatores de risco, faz dieta e exercícios físicos.

• Teve a taxa aumentada nos últimos seis meses por causa da má alimentação.

Fonte: Costantino Costantini, Emilio Granato, Fabiano Sandrini e Luiz Fernando Kubrusly.

LDL e HDL

O LDL é o mau colesterol, que provoca o entupimento das artérias. É uma gordura de baixa densidade e de tamanho pequeno, que se deposita na camada mais interna da artéria, impedindo o fluxo de sangue na região e causando infartos e derrames. O HDL é o bom colesterol, de maior densidade e tamanho. Age como um detergente que limpa as artérias retirando as placas de mau colesterol.

Conte a sua experiência

O que você faz para manter a taxa de colesterol em um patamar considerado aceitável?

Deixe seu comentário abaixo ou rscreva para leitor@gazetadopovo.com.br

Leia as regras para a participação nas interatividades da Gazeta do Povo.

As mensagens selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

O seu colesterol anda alto? Em breve, há chances de que os parâmetros usados para essa resposta mudem e um índice hoje considerado de risco passe a causar menos preocupação em médicos e pacientes. Está em pauta nos Estados Unidos uma discussão que pretende revisar as diretrizes a respeito das taxas do mau colesterol consideradas seguras – vistas como muito rígidas por alguns cardiologistas americanos. A mudança pode influenciar outros países, inclusive o Brasil.

No fim deste ano, é esperado que o US National Heart, Lung and Blood Institute, órgão estatal responsável pela prevenção, controle e pesqui­sa na área, lance o ATP IV, um conjunto de diretrizes que deve rever o posicionamento do último manual, que baixou consideravelmente os parâmetros. O principal objetivo é evitar a medicação exagerada e o uso desnecessário de remédios por quem tem uma taxa um pouco acima do limite.

Queda

Ao longo dos últimos 25 anos, os parâmetros têm caído cada vez mais. Em 1988, quando foi lançado o ATP I, o limite do colesterol considerado seguro era de até 130 mg/dl (miligrama por decilitro de sangue). Em 2002, a taxa passou para 100 mg/dl e, na última revisão, para 70 mg/dl. Com a linha de corte cada vez mais rigorosa e para estar perto do parâmetro ideal, muitos pacientes passaram a tomar estatinas, o medicamento mais vendido no mundo hoje. O receio é de que os médicos tenham se tornado reféns dos números.

Isso porque há estudos que comprovam que as estatinas ajudam a diminuir o colesterol no caso de quem tem fatores de risco, como histórico de infarto na família, fumar ou ser sedentário, mas fazem pouca diferença quando a taxa está um pouco acima do ideal e os fatores estão controlados. Em outras palavras, nem sempre uma taxa um pouco acima é sinal de perigo. Um estudo da Universidade da Califórnia mostrou que 75% das pessoas internadas após um infarto tinham taxas normais de LDL, o mau colesterol.

"O fato de haver um afrouxamento desses índices não significa que eles serão desprezados. Mas outros critérios devem ter maior atenção do que hoje. A questão é que estes números são a única coisa mensurável, ao contrário dos exercícios físicos e da alimentação, então, eles adquirem uma importância absoluta", explica o assessor médico dos laboratórios Frischamann e ph.D em Endocrinologia Pe­driátrica, Fabiano Sandrini.

Uso de estatinas é visto com ressalvas

Para quem toma remédios e não consegue baixar o LDL a um nível considerado ideal, a recomendação dos especialistas é evitar o pânico, pois aumentar a dose pode ser mais prejudicial do que continuar com a prescrição atual. Isso porque as estatinas têm efeitos colaterais, como a destruição de células do músculo. E não há, segundo eles, estudos que comprovem que, quanto mais se toma o remédio, mais benefício haverá.

"A pergunta que deve ser feita é: Até que ponto vale insistir nesses índices e comprometer a qualidade de vida do paciente com remédios que causam dores?", questiona o patologista clínico dos laboratórios Frischmann Emílio Granato, que defende como ideal o LDL abaixo de 100 mg/dl, com uma investigação aprofundada em casos limítrofes.

O cirurgião cardiovascular e diretor clínico dos hospitais Vita, Luiz Fernando Kubrusly, explica que o remédio comprovadamente atua sobre fatores de risco, como inflamações nas artérias, e em casos de LDL muito alto, mas não traz benefícios comprovados em casos menos graves. "Há quem defenda colocar estatina na água para prevenir infarto ou aumentar a dose para chegar ao nível ideal, mas não há comprovação de que isso tenha efeito", diz.

O médico diz que é preciso ser crítico em rela­­ção aos índices, pois qualquer mudança tem impacto no mercado. Atualmente, conforme a revista americana Na­­tu­­re, vários laboratórios trabalham para criar medicamentos que abaixem ainda mais os níveis. "Qualquer nova dire­­triz que diminua os índices cria um novo grupo de pessoas que passam a fazer parte do grupo de risco e potenciais consumidores do remédio."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]