Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

telefonia

Oi entra com habeas corpus para suspender bloqueio do WhatsApp

Presidente da operadora afirma que medida judicial é desproporcional

  • Da Redação
Operadora Oi foi uma das afetadas pela decisão judicial | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Operadora Oi foi uma das afetadas pela decisão judicial Daniel Castellano/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A operadora Oi, uma das afetadas pela decisão judicial que bloqueou o acesso ao aplicativo WhatsApp em todo o Brasil, entrou com um pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo para tentar suspender a medida.

O habeas corpus foi impetrado em nome do presidente da Oi, Bayard de Paoli Gontijo. No pedido, o executivo argumenta que a medida é é desproporcional e ilegal e vai contra o Marco Civil da internet – a legislação não permite que o provedor de serviços de telecomunicações se responsabilize por atos de terceiros.

Gontijo argumenta ainda que a juíza optou pela medida mais grave possível, atingindo toda a base de clientes das operadoras.

Até o momento, a Oi foi a única operadora a contestar a decisão oficialmente. As demais empresas avisaram, por meio do Sinditelebrasil (sindicado que representa as operadoras do setor) que vão cumprir a ordem.

Decisão

Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, a ordem de bloquear o WhatsApp partiu da 1.ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo (SP). A decisão refere-se a um processo criminal que corre em segredo de justiça.

“O WhatsApp não atendeu a uma determinação judicial de 23 de julho de 2015. Em 7 de agosto de 2015, a empresa foi novamente notificada, sendo fixada multa em caso de não cumprimento”, afirmou o tribunal em comunicado à imprensa.

“Como a empresa não atendeu à determinação judicial, o Ministério Público requereu o bloqueio dos serviços pelo prazo de 48 horas, com base na lei do Marco Civil da Internet, o que foi deferido pela juíza Sandra Regina Nostre Marques”, acrescentou o tribunal.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Tecnologia

PUBLICIDADE