i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Infância

60% dos casos de agressão contra crianças ocorrem dentro de casa

Dia de combate ao abuso de crianças será lembrado em 16 cidades do Paraná

  • PorMauri König - Gazeta do Povo
  • [18/05/2007] [06:10]
Convocação |
Convocação| Foto:

Blog do Bem

No dia em que somos alertados sobre o problema da violência sexual contra crianças, o "pequeno José" conta a sua história e como superou o trauma de ter sido vítima de seu pai e tio

Leia o relato completo no Blog do Bem

Dezesseis municípios do Paraná farão manifestações públicas ao longo de todo a sexta-feira (18) para lembrar à sociedade do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. As mobilizações ocorrem em todos os estados e no Distrito Federal, numa tentativa de jogar luz sobre um problema que na maioria das vezes acontece entre quatro paredes, gerado por pessoas muito próximas da vítima.

Uma a uma, pesquisas têm derrubado o folclórico mito do tarado que persegue criancinhas nas ruas. Em média, nada menos do que seis entre dez casos de violência sexual acontecem dentro da própria residência da pessoa agredida. Esse revés doméstico é exposto numa pesquisa do Hospital Pequeno Príncipe, instituição responsável pelo atendimento de crianças e adolescentes que sofreram maus-tratos em Curitiba e na região metropolitana. Das 243 crianças atendidas no ano passado, 164 (67%) eram meninas e 79, meninos. Do total, 66% foram alvo de violência sexual e 58% passaram pela experiência dentro de casa. O pai é o principal agressor, em 14% dos casos, ao lado dos vizinhos. Em seguida, aparecem os padrastos (10%). Somadas, as agressões do pai, mãe, padrasto, madrasta, irmãos, tios, primos, avós e babás também chegam a 58% das ocorrências.

De maneira geral, o agressor tinha alguma proximidade com a vítima. Das 243 crianças atendidas, apenas 19 sofreram maus-tratos de estranhos. Do total, 14% das agressões aconteceram quando ela estava na rua e 8% na casa de vizinhos. As creches e escolas aparecem em 5% dos registros. Outro fator preocupante é que a reincidência alcança um quarto dos casos: 26% das crianças atendidas já haviam sido agredidas outras vezes. A idade média das vítimas é de 5,8 anos, havendo registros de bebês com menos de um ano de idade e adolescentes com 16. Já o agressor tem em média 25 anos, com variação que oscila dos 10 aos 60 anos de idade.

Leia a reportagem completa no site da versão impressa do jornal Gazeta do Povo (conteúdo exclusivo para assinantes)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.