Empresária Clemans Abujamra, assassinada em abril do ano passado | Reprodução/Facebook
Empresária Clemans Abujamra, assassinada em abril do ano passado| Foto: Reprodução/Facebook

Os acusados de matar a empresária Clemans Abujamra vão a júri popular, segundo decisão desta quinta-feira (13) do juiz Daniel Surdi de Avelar, da 2ª Vara do Júri de Curitiba. O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) informa que, por enquanto, não há data marcada para o julgamento porque ainda cabe recurso da decisão. Os réus são a irmã da vítima, Christiane Abujamra, 50 anos, e o sobrinho da empresária, Arnold Vianna, de 24 anos, que, de acordo com as investigações, teriam assassinado Clemans a facadas e abandonado o corpo em um terreno baldio no Batel.

Para o advogado Elias Mattar Assad, que atua no processo como assistente da acusação, a dupla vai responder por crime de homicídio qualificado por meio cruel e por fraude processual, já que teriam alterado o local do crime e tentado induzir a Justiça em erro. "A pena pode variar de 12 a 30 anos de prisão", explica o advogado.

Entenda o caso

O corpo de Clemans Abujamra, de 51 anos, foi encontrado em um terreno baldio no Batel, em Curitiba, por volta das 7h30 do dia 29 de abril de 2013. De acordo com a Delegacia de Homicídios, Clemans morava nos Estados Unidos com o marido, mas costumava vir à capital para passar alguns dias.

Clemans foi morta com quatro facadas, que atingiram pescoço, tórax e costas. Em fevereiro deste ano, Cristiane Abujamra e Arnold Vianna foram presos acusados de terem cometido o crime.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]