i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
INVESTIGAÇÃO NO EVANGÉLICO

“Alguns pacientes teriam chance”

Karina Carrer, ex-fisioterapeuta do Hospital Evangélico

  • PorAmanda Audi, especial para Gazeta do Povo
  • 28/03/2013 21:04

Processo

Defesa diz que vingança foi motivo da denúncia contra a médica

Da Redação*

O advogado Elias Mattar Assad, que defende a médica Virgínia Helena Soares de Souza, acusada de causar a morte de pacientes da UTI do Hospital Evangélico, antecipou que vai alegar na apresentação preliminar da defesa que houve falsa perícia, denunciação caluniosa, falsa comunicação de crime e coação no curso do processo. Ele argumenta que a fisioterapeuta Karina Carrer fez a denúncia motivada por um sentimento de vingança, provocado pela rigidez no tratamento dentro da UTI.

"A doutora Virgínia era muito rigorosa com os enfermeiros, por isso era considerada o diabo dos funcionários", afirma o advogado. "Mas cuidava muito dos enfermos. Os que entraram em óbito entrariam de qualquer jeito, pois não tinham chance nenhuma de sobreviver."

Famílias

Segundo o criminalista , as famílias que deram queixa na polícia poderão responder na Justiça. O advogado afirma que elas não teriam como provar que seus parentes foram mortos intencionalmente por Virgínia. "As pessoas não sabem como funciona uma UTI. Tudo o que é feito lá dentro é com base na ciência médica. Ali é o limite entre a vida e a morte", disse o advogado.

A defesa de Virgínia será coordenada com a defesa dos outros indiciados e usará laudos de peritos e especialistas. O advogado Mattar Assad diz acreditar que a cliente não será submetida a júri popular e que o processo será longo, com mais de dez anos de tramitação, caso todas as testemunhas possíveis sejam arroladas pelos oito indiciados no caso.

*A reportagem acima foi produzida por Andrea Torrente, Antoniele Luciano e Lucas Gabriel de Marins, trainees do programa Talento Jornalismo GRPCom 2013.

A fisioterapeuta Ka­­rina Carrer foi a pri­­meira pessoa a denunciar os óbitos que ocorreram na UTI geral do Hospital Evangélico de Curitiba e que acabaram sendo investigados pela polícia. Formada há 11 anos, a fisioterapeuta já havia trabalhado em outros hospitais e UTIs e afirma que nunca havia visto nada parecido com os procedimentos adotados no setor comandado pela médica Virgínia Helena Soares de Souza. Ela diz que chamava a atenção o grande número de óbitos ocorridos nos primeiros dias de internação, o que, segundo ela, não era comum em outros hospitais onde trabalhou. Em entrevista à Gazeta do Povo, ela nega que a denúncia seria uma vingança por desavenças pessoais entre os funcionários da UTI.

Como você decidiu denunciar o que ocorria dentro da UTI?

Fiz a primeira denúncia na ouvidoria do estado em março do ano passado e continuei trabalhando no hospital. Eu achava que a qualquer momento a polícia ia chegar e eu poderia ajudar. Continuei na UTI por causa disso. Em maio, pedi para mudar de setor. Ainda continuei na instituição por alguns meses e, quando decidi sair, pedi demissão. O que você notou de estranho que não havia em outros lugares?

Os óbitos. Sempre trabalhei em UTI e nunca tinha visto alguma coisa desse tipo em toda a minha vida. Eu acredito que alguns pacientes teriam chance de recuperação. O prognóstico era fechado muito rapidamente. Às vezes o óbito vinha com dois dias de internação, o que é pouquíssimo tempo. Você contou a alguém que fez a denúncia?

Não avisei ninguém por medo de represálias. Todas as pessoas que trabalhavam lá eram meio revoltadas com o que acontecia, mas todos tinham muito medo dela [da médica Virgínia], porque ela era muito explosiva. Isso inibia as denúncias. Todo mundo sentia que ela era muito poderosa. E como você está agora?

Estou acompanhando o caso, mas estou apreensiva. Esperava que a investigação acontecesse, mas não que ela fosse presa, e nem as outras pessoas. Só queria que não acontecesse mais nada do que aconteceu. Tudo aquilo que aconteceu foi de uma maneira gratuita. Os pacientes e os familiares não têm culpa. A acusação da defesa da médica é de que todo o processo começou por uma briga pessoal dos funcionários. Qual sua opinião a respeito?

Havia atraso de pagamentos e insatisfação dos funcionários, mas nós, que trabalhávamos na UTI, não entrávamos em greve, até porque é um lugar que não dá pra abandonar. Mas não era rixa pessoal com a médica. Não quero me vingar dela, nunca quis.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.