i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Meio ambiente

Apenas 2 parques nacionais no país não têm contas no vermelho

Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, e Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro, arrecadaram juntos, em 2011, cerca de R$ 24,3 milhões com visitantes

  • PorDenise Paro, da sucursal
  • 06/07/2012 21:04
Centro de Recepção do Parque Nacional do Iguaçu, mais recente obra do parque: unidade recebe menos do que o previsto em lei | Christian Rizzi/ Gazeta do Povo
Centro de Recepção do Parque Nacional do Iguaçu, mais recente obra do parque: unidade recebe menos do que o previsto em lei| Foto: Christian Rizzi/ Gazeta do Povo

1.394.187 turistas

passaram pelos portões do Parque Nacional do Iguaçu no ano passado. O Parque Nacional da Tijuca, o mais visitado do país, recebeu 2.274.498 visitantes no período.

Dê sua opinião

Porque os parques nacionais recebem pouca visitação? Como torná-los rentáveis?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Dos 67 parques nacionais existentes no Brasil, apenas dois conseguem gerar recursos para se sustentar: o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, e o Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro. Outros 11 cobram ingresso dos visitantes, mas fecham o mês com o caixa no vermelho. Com a falta de recursos e a infraestrutura precária, a maioria das reservas brasileiras sofre com carência de fiscalização e despreparo de agentes ambientais.

Do total de parques no país, 41 estão com portas fechadas por não terem vocação turística ou por estarem localizados em áreas de difícil acesso. Nesses casos, o custo para a implantação de um programa turístico é alto. Um exemplo é o Parque Nacional do Pico da Neblina, na fronteira com a Venezuela. Outras 13 unidades funcionam sem cobrança de ingresso.

Os parques nacionais estão sob a responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), uma autarquia criada em agosto de 2007. O coordenador geral de Uso Público e Negócios do ICMbio, Ernesto Viveiros, de Castro diz que os parques que não arrecadam dinheiro são mantidos com o orçamento da União, mas de forma precária. "O orçamento é insuficiente para manter todas as unidades", diz. Pela legislação, parte da arrecadação dos parques superavitários também é direcionada às unidades deficitárias. Em 2011, juntos, os parques nacionais do Iguaçu e da Tijuca arrecadaram cerca de R$ 24,3 milhões somente com a visitação. No cálculo não estão contabilizados recursos provenientes das concessões de ambas as reservas, que contam com serviços terceirizados.

Manutenção em risco

Para especialistas, a manutenção das unidades de conservação brasileiras está em risco, considerando-se parques, estações ecológicas e reservas ambientais. Segundo a bióloga Márcia Marques, professora doutora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), faltam recursos para a elaboração do plano de manejo em boa parte das unidades de conservação. Em outras, há dificuldades para implementá-lo. "As UCs têm sido mantidas, em geral, sem a definição das diretrizes necessárias para que a conservação da biodiversidade seja garantida [o que é previsto em lei]", diz.

A professora salienta que seria necessário um aumento de investimento na área ambiental por meio do orçamento geral da União, estados, municípios ou a alocação de recursos oriundos de multas ambientais. A professora diz ainda que o uso dos recursos das taxas de visitação dos parques é necessário, mas nem todas as UCs têm vocação para o turismo, o que pode dificultar a conservação nestas áreas.

O biólogo e professor Maurício Savi diz que há hoje uma tendência mundial voltada à conservação da natureza. As pessoas também buscam com mais frequência ambientes naturais para evitar o estresse. No entanto, diz, além das áreas serem em pequeno número no Brasil, o montante de dinheiro arrecadado ainda é baixo. "Há muitos parques, mas também existe um déficit de visitantes, pouca regularização fundiária e orçamentos baixos".

Ele sugere que o mecanismo de arrecadações seja transparente. Isso, segundo o professor, passa pela criação de um conselho deliberativo com participação de entidades não governamentais e governamentais, incluindo universidades que possam elencar critérios para melhor aplicação dos recursos.

Repasse

Parque Iguaçu arrecada R$ 15 milhões, mas não recebe verba prevista

Maior reserva verde do Sul do país, o Parque Nacional do Iguaçu é o segundo que mais arrecada no Brasil depois do Parque Nacional da Tijuca. Com o serviço de visitação e alguns atrativos turísticos terceirizados, o parque faturou em 2010 cerca de R$ 15 milhões, dos quais R$ 7,1 milhões relativos a ingressos e R$ 7,8 milhões, às concessões. O Parque Nacional da Tijuca, que também tem serviços terceirizados, arrecadou em 2011 cerca de R$ 17 milhões.

No entanto, o montante que retornou ao parque do Paraná correspondeu a R$ 2,9 milhões, ou seja, cerca de 19% do total arrecadado, o que contraria a Lei Federal 9.985 de 18 de julho de 2000, que prevê investimento mínimo de 25% na implementação, manutenção e gestão da própria unidade. Assim, entre 2009 e 2011, por volta de R$ 2,3 milhões deixaram de ser investidos na reserva.

Por não estar de acordo com a lei, a aplicação de recursos no Parque Nacional do Iguaçu chamou atenção do legislativo municipal. No último dia 17 de maio, os vereadores aprovaram requerimento para ouvir do presidente do ICMbio Roberto Ricardo Vizentin a razão de não se aplicar o porcentual de 25% na reserva. O pedido foi feito pelo vereador Carlos Budel. "O problema é que o inciso 1º da lei (que exige aplicação mínima de 25% no Parque Iguaçu) não está sendo cumprido", diz. A câmara agora aguarda um retorno de Brasília para ouvir Vizentin.

Despesas

Esta não é a primeira vez que a gestão dos recursos é questionada. O chefe do Parque Iguaçu, Jorge Pegoraro, nesteve este ano no Legislativo para prestar esclarecimentos e apresentou a planilha de custos de 2010. Ele disse que o dinheiro que retornou ao parque, ou seja, os 19% do total arrecadado, foi usado para pagar despesas de vigilância, limpeza, energia elétrica, telefonia, material de consumo, material permanente e apoio administrativo, conforme a descrição feita em no ofício. A maior despesa foi relativa ao apoio administrativo, perfazendo cerca de R$ 1,3 milhão.

A Cataratas S.A., concessionária do Parque Nacional do Iguaçu, está há mais de 10 anos à frente da reserva. A empresa venceu licitação pública aberta em 1998. Neste ano, também começou a gerenciar a entrada de visitantes no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PE), cuja concessão é válida para um período de 15 anos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.