i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Cadeia

Após seis horas, termina rebelião em subdivisão policial de Guarapuava

Durante a confusão, agente penitenciário foi mantido refém. Polícia investigará como um revólver calibre 32 entrou na unidade. De acordo com a governo do estado, não houve feridos

  • PorRaphael Marchiori e Patricia Pereira
  • 31/05/2013 10:30

Após seis horas rebelados, detentos da 14º Subdivisão Policial de Guarapuava, na região Centro-Sul do Paraná, aceitaram os termos negociados e se renderam às autoridades policiais. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp), o motim começou por volta das 11h30 e terminou às 17h30. Durante a ação, um agente penitenciário foi feito refém. Ele foi liberado sem ferimentos.

A rebelião começou no momento em que os agentes de cadeia entregavam o almoço aos detentos. "Eles estouraram o cadeado das celas e renderam o agente", relatou o delegado titular da unidade, Ítalo Biancardi Neto.

A Polícia Civil instaurou um inquérito policial para apurar as circunstâncias da rebelião. De acordo com a Sesp, havia um revólver calibre 32 com os presos. Além do inquérito, a polícia faz uma vistoria no local para levantar os prejuízos decorrentes da ação. A unidade tem duas alas com celas e uma delas teria sido totalmente destruída.

A carceragem da 14ª Subdivisão Policial de Guarapuava abrigava 278 presos no momento do motim, muitos já condenados, de acordo com Neto. "Temos 32 celas de seis metros quadrados", explicou. Por lei, segundo o delegado, deveria ter um preso por cela, mas em cada cubículo há quatro camas. "Fazendo a conta, teríamos 128 vagas no máximo", completou.

Durante as negociações, os detentos exigiam transferência para outros locais. Segundo a Sesp, ainda hoje, 25 deles serão transferidos para unidades prisionais de Curitiba, em ação a cargo do Departamento Penitenciário (Depen).

A Seju confirmou as transferências e informou que outros 15 presos, já condenados, também serão transferidos para penitenciárias do estado em comum acordo com o juiz responsável por aquela Vara de Execução Penal.

A secretaria disse ainda que a carceragem da 14º Subdivisão Policial de Guarapuava tinha 330 presos no momento da ocorrência e sua capacidade é de 166 vagas e não 128, como divulgado pelo delegado titular Ítalo Biancardi Neto e pela Sesp.

Fuga

No último dia 12, fugiram da carceragem 14 presos. Na ocasião, um dos detentos simulou estar passando mal e, quando os agentes foram prestar socorro, foram rendidos na cela onde estavam os fugitivos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.