i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Descaso

Área onde seria Memorial da TAM vira depósito de lixo

Terreno, com tamanho de um campo de futebol, é usada como banheiro por moradores de rua e as calçadas do entorno viraram ponto de descarte de entulho

  • PorAgência Estado
  • 18/06/2010 07:58

Prestes a completar três anos do acidente com o Airbus da TAM que matou 199 pessoas, continua abandonado o terreno no número 7.305 da Avenida Washington Luís, no Campo Belo, zona sul, onde havia o prédio da empresa no qual o avião se chocou. A área, com tamanho de um campo de futebol, é usada como banheiro por moradores de rua e as calçadas do entorno viraram ponto de descarte de entulho.

No dia 17 de julho de 2007, as 187 pessoas a bordo do voo 3054 da TAM e outras 12 que estavam no prédio da empresa morreram quando, ao tentar pousar no Aeroporto de Congonhas, o Airbus derrapou, atravessou a avenida e bateu contra a edificação. Hoje não há no local sinal da praça ou do memorial prometidos pela Prefeitura em homenagem às vítimas. "Desde a demolição do prédio a Prefeitura não fez mais nada no terreno. É normal ver carroceiros jogando lixo nas calçadas e moradores de rua passando pelos tapumes (que cercam a área)", afirma Tiago Gomes Beneduce, de 28 anos, que trabalha na vizinhança.

Além disso, os moradores e pessoas que trabalham na região também reclamam da falta de segurança, principalmente à noite, pois o terreno não é iluminado nem dispõe de vigilância. "Antes, ainda havia um poste de luz dentro do terreno e um guarda. Mas já faz um bom tempo que os holofotes (em 2008) foram roubados e a segurança foi embora", diz a corretora de imóveis Célia Mara de Souza, de 46 anos.

relatos de furtos em carros estacionados no quarteirão formado pela Avenida Washington Luís e pelas Ruas Otávio Tarquínio de Sousa, Baronesa de Bela Vista e Barão de Suruí. Como o da dona de casa Marli de Dias, de 58 anos, moradora da Tarquínio de Souza. "Não pode deixar nada à mostra." A Secretaria da Segurança Pública não informou o número de ocorrências na região. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.