i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
No SUS

Ativismo judicial: MPF e DPU tentam anular Portaria do governo sobre aborto em caso de estupro

  • Brasília
  • 04/09/2020 14:19
Ativismo judicial: MPF e DPU tentam anular Portaria do governo sobre aborto em caso de estupro
| Foto: Unsplash

A Defensoria Pública da União (DPU) e o Ministério Público Federal (MPF) fazem ativismo jurídico a fim de sustar os efeitos da Portaria recente do Ministério da Saúde (MS) que alinha à lei vigente os critérios para realização de aborto em caso de estupro no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

"A apuração e processamento do crime de estupro pode ser para a vítima mais grave que a própria impunidade do agressor", considera o MPF. Para o órgão, a portaria do Ministério da Saúde contrariou leis: "É ilegal a notificação à autoridade policial com identificação da vítima ou informações pessoais prestadas por ela durante o atendimento nos serviços de saúde, salvo quando por ela expressamente consentido".

"Deve-se garantir a autonomia das mulheres em situação de violência, não podendo suas decisões serem substituídas por agentes públicos ou profissionais de saúde", afirma.

Publicado no último dia 28, o documento do MS define novos critérios para a interrupção voluntária da gravidez e, diferentemente das normativas anteriores, o texto é mais claro quanto à proteção da gestante, aumentando o cerco ao autor do crime de estupro e, além disso, para não permitir falsa denúncia.

As mudanças ocorrem justamente para alinhar as ações ao que prevê o Código Penal, com ajustes feitos em 2018, quando o crime de estupro passou a ser considerado de ação penal pública incondicionada (quando é irrelevante a manifestação do ofendido). Antes da atualização, crimes dessa natureza poderiam ser apurados apenas após representação da própria vítima.

Ministério Público: "portaria contrariou leis"

Em uma recomendação expedida às Secretarias de Saúde de 14 estados, o MPF atua em desconformidade, ao dar "orientações sobre a interrupção legal da gravidez", com o que estabelece o artigo 128 do Código Penal. Como os movimentos pró-aborto, o órgão se utiliza da normativa na tentativa de defender o conceito de "aborto legal", afirmando ser este um direito previsto em lei.

Pelo dispositivo, contudo, a prática não se torna "legal", mas apenas é despenalizada nos casos de risco de vida da mãe e quando a gravidez é resultado de estupro. Por decisão do Supremo Tribunal Federal, a interrupção voluntária da gravidez também não é penalizada em situações em que o feto é anencéfalo.

No documento, ao considerar os direitos fundamentais assegurados pelo ordenamento jurídico brasileiro, em especial a "primazia dos direito à vida (artigo 5º, caput, da Constituição Federal)", o MPF desconsidera o próprio Código Civil brasileiro, que põe a salvo o direito intrínseco à vida do nascituro, desde a concepção.

A Portaria do MS estabelece que unidades de saúde que tenham acolhido gestantes que aleguem terem sido vítimas de estupro devam obrigatoriamente notificar às autoridades. Para o órgão, contudo, "a notificação compulsória prevista em lei não tem finalidade de dar início à apuração do crime, mas fins estatísticos para formulação de políticas públicas de segurança e para policiamento".

"Por essa razão, a lei prevê que essa notificação terá caráter sigiloso e sem identificação da vítima, o que apenas ocorrerá, fora do âmbito dos serviços de saúde, em caráter excepcional, em caso de risco à comunidade ou à vítima, a juízo da autoridade sanitária e com conhecimento prévio da vítima ou do seu responsável", afirma.

O MPF vai ainda mais longe ao intimidar profissionais de saúde e afirmar que estes estarão sob pena de crime de violação de sigilo profissional caso compartilharem com órgãos de segurança pública informações sobre o tratamento de saúde de vítima de violência sexual sem seu consentimento. "Embora o sigilo médico não seja absoluto, ele pode ser relativizado com finalidades de investigação criminal no interesse do paciente, jamais contra", afirma.

Ainda, contra o que determina a Portaria do Ministério da Saúde quando estabelece como obrigatória a preservação de possíveis evidências materiais do crime, tais como fragmentos de embrião ou feto, o MPF afirma que "em razão do direito à intimidade das vítimas e do dever de sigilo profissional dos profissionais de saúde, essas informações apenas podem ser transmitidas a órgãos de segurança com consentimento expresso da vítima".

Quanto à possibilidade completamente discricionária por parte da vítima de visualização do feto, o órgão diz que isso configura "violência psicológica" à gestante. "Não se mostra razoável nem clinicamente necessária a oferta para visualização do embrião para a vítima de violência sexual que procura o serviço de saúde para interrupção da gravidez resultante do estupro, tendo o efeito apenas de constranger e gerar culpa na vítima pelo exercício de um direito", afirma.

"Embora a portaria faça parecer que os riscos de complicações e óbito na interrupção da gravidez realizada com acompanhamento médico sejam relevantes, esses riscos são menores que o próprio parto", diz. "Os requisitos impostos pela Portaria n° 2.282, de 27 de agosto de 2020 para a realização de qualquer procedimento médico pode colocar a vítima em situação ainda maior vulnerabilidade".

Por fim, o órgão pressiona estados para, em um prazo de 15 dias, se manifestarem acerca do acatamento dos termos da recomendação, sob pena de providências administrativas e judiciais em caso de violação das normas. Leia a íntegra do documento no fim desta matéria.

O MPF não respondeu ao contato da reportagem.

DPU entra com Ação Civil Pública contra a União

A Portaria do Ministério da Saúde também incomodou a Defensoria Pública da União (DPU), órgão reconhecidamente ativista na defesa do aborto e omisso no amparo intrínseco do direito à vida do nascituro, embora esse seja um de seus deveres legais previsto na própria CF.

Em um memorando publicado no último dia 2 de setembro, 31 defensores manifestaram repúdio à atuação do defensor Danilo de Almeida, responsável por solicitar ao Ministério da Saúde a adequação à lei vigente para casos de aborto em decorrência de estupro no âmbito do SUS.

Almeida tomou a medida após ser provocado pela Associação Virgem de Guadalupe, em favor de quem atua na condição de amicus curiae na ADPF 442, que trata da descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. Ele foi escolhido pelo defensor público federal-geral, Gabriel de Oliveira, para a atuação, como prevê o regimento interno da DPU. A solicitação do defendor ao MS, portanto, foi tomada no âmbito de sua incumbência de prestar assistência jurídica integral à Associação Guadalupe.

"Ser perseguido pelos colegas em uma instituição que é instrumento do Regime Democrático é realmente muito preocupante", afirma Danilo de Almeida à Gazeta do Povo. "A questão é que os defensores do aborto creem que a solução para qualquer problema é matar alguém. Se por algum motivo aquela gravidez é indesejada, elimina-se a criança. No campo das ideias não é diferente. Se alguém os incomoda, pensa diferente deles, a solução para eles não é o diálogo, é eliminá-lo. É triste isso".

Para os 31 defensores, Almeida teria extrapolado "sua atribuição, atuando em questões sobre tema diverso, qual seja, sobre as normas e políticas públicas que versam sobre o direito ao aborto legal, à margem de atribuição institucional para tanto".

"Neste caso da minha nomeação para representar a Associação Guadalupe, a portaria do Dr. Gabriel é clara ao me conceder a prerrogativa de analisar a viabilidade de prestação jurídica integral e gratuita à Associação Guadalupe, além da eventual atuação extraordinária na ADPF 442, no STF. Se eu não cumprisse este mandado de forma 'integral', aí sim eu poderia ser responsabilizado", explica ele.

Muito embora a Associação Guadalupe seja uma organização sem fins lucrativos, esses defensores alegam "não haver informações ou documentos que comprovem a hipossuficiência da associação, segundo os rigorosos critérios para deferimento da assistência jurídica gratuita da Defensoria Pública da União".

"Certo é que [a nomeação de Danilo para atuar em favor da Associação na ADPF] não concedeu ao referido defensor um mandato ilimitado para prestar assistência jurídica em todas as esferas judiciais e administrativas e em todas as demandas apresentadas pela Associação", afirmam.

Dessa forma, pedem ao defensor geral que a solicitação de Almeida ao MS seja anulada e, portanto, derrubada a Portaria sobre o procedimento de aborto no âmbito do SUS.

Ainda, em movimento semelhante ao do MPF e utilizando os mesmos argumentos, muitas vezes contraditórios, como "aborto legal", a Defensoria Pública da União em 10 estados e no Distrito Federal ajuizou uma Ação Civil Pública contra a União Federal pela publicação da Portaria 2.282.

"A portaria traz inovações em relação [...] que são manifestamente ilegais e que não se mostram adequadas e proporcionais às finalidades previstas nos artigos 128 e 154 do Código Penal; art. 207 do Código de Processo Penal; artigos 2º, 5º e 7º da Lei Orgânica da Saúde (8080/90); e artigos 1º e 3º da Lei nº 12.845/2013, que dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual", afirma.

"Ademais, as referidas inovações dessa portaria desrespeitam os direitos fundamentais à saúde, dignidade, intimidade, privacidade, confidencialidade, sigilo médico, autonomia e autodeterminação das meninas, adolescentes e mulheres, estando em desacordo também com as próprias normativas do Ministério da Saúde", defende o órgão.

Procurada, a DPU não respondeu à reportagem até a publicação desta matéria.

*Íntegra da recomendação do MPF aos estados (a recomendação a seguir é a do MPF Sergipe, semelhante a dos outros estados):

*Ação Civil Pública da DPU:

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • I

    INES MARIA COSTA

    ± 10 horas

    Bem, se o crime é de ação pública incondicional, o estado não pode deixar de investigar o delito. Tal qual é obrigatório que profissionais de saúde informe as autoridades sobre doenças e pessoas vítimas de tentativas de homicídios, não vejo no caso em voga, nem resquício de descumprimento de direito individual. Se assim o fosse, todas as outras obrigatoriedades impostas aos profissionais de saúde sobre comunicação compulsória tbm seriam inconstitucionais. MPF e DPU (uns membros) realmente jogaram a legislação pátria no lixo, tal qual o STF.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Henrique

    ± 12 horas

    CAUSA ASCO esse tipo de ativismo. A portaria está em ABSOLUTA CONFORMIDADE com a legislação. O que NÃO estava em conformidade com a legislação, por permitir sua burla, era a normativa vigente. O que esses biltres querem é a manutenção de uma brecha criada, não na lei, mas por norma administrativa, que na prática libera o aborto indiscriminadamente. A regra atual causa vergonha a qualquer um que tenha alguma, na medida em que abre uma avenida para o aborto indiscriminado, o q evidentemente não é permitido pela lei. Verdade q não dá p/ dizer q esses pulhas trataram do nascituro como coisa, pois esta ainda mereceria alguma consideração deles, o q não é o caso. Enfim, são esses q afrontam a lei.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dissenha

    ± 14 horas

    "A apuração e processamento do crime de estupro pode ser para a vítima mais grave que a própria impunidade do agressor". ISTO É UMA VERGONHA. Uma criança pode ser assassinada, mas prender um bandido não. É a ideologia de que a culpa não é do criminoso é da Sociedade. Especialmente agora, com um governo conservador nos costumes. Lembra Thomas Sowell: "Aqueles que veem o governo como solução para os problemas sociais, ficariam surpresos ao descobrir que é o governo quem cria esses problemas". Até que o Presidente Tenta, mas os MP são, conforme escreve o texto ativistas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    GUSTAVO

    ± 15 horas

    Só pelo começo do texto "A Defensoria Pública da União (DPU) e o Ministério Público Federal (MPF) fazem ativismo jurídico" não precisa nem ler o resto pra saber que só vem desinformação e bobagem. Antes de escrever "ativismo" busque o significado e o empregue conforme seu conceito. Sobre o mérito da questão que é tratada na portaria, se boa ou ruim, basta perguntar para Sara Winter o que ela acha. Esse ser humano repugnante e asqueroso possivelmente é a favor, Portanto, pode jogar a Portaria no lixo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Cristian carla a. Volski cassi

    ± 16 horas

    Pq se metem em tudo? Que País INSUPORTÁVEL! Se pode complicar pq simplificar não? O "ativismo" público é tão nocivo quanto

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.