i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Centro histórico

Ato em apoio a advogado preso pela Guarda Municipal reúne cem pessoas em Curitiba

Em ato, advogado afirmou que quer denunciar outros casos de abuso; candidatos à Prefeitura repercutiram o caso

  • PorLaura Beal Bordin e Kelli Kadanus
  • 26/08/2016 21:40
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

O advogado Renato Almeida Freitas Júnior, que afirmou ter sido agredido por guardas municipais após ter sido preso por desacato a autoridade, disse que não deve deixar o caso morrer. “Eu falei para eles no momento em que me prenderam. Eu vou até o fim”, afirmou Freitas Júnior, que também é candidato a vereador pelo PSol. A prefeitura de Curitiba anunciou que vai apurar o caso.

Nesta sexta-feira (26), Freitas Júnior reuniu um grupo de apoiadores no Largo da Ordem, no Centro Histórico de Curitiba, para denunciar o caso. O ato chamado de “Rap pela liberdade” contou com a participação de aproximadamente cem pessoas que decidiram marcar o evento para ouvir músicas de rap no mesmo local onde o advogado teria sido preso pela Guarda.

Freitas Júnior afirmou que o intuito do protesto é chamar a atenção para os abusos policiais. O advogado disse ainda que pretende criar uma espécie de ouvidoria popular, na qual casos possam ser denunciados e encaminhados ao Ministério Público e autoridades competentes. “Vejo nisso uma oportunidade de buscar justiça por quem não tem voz”, comentou.

Candidatos à prefeitura repercutiram o caso

Os candidatos à prefeitura de Curitiba repercutiram nesta sexta-feira (26) em um evento na Casa do Estudante Universitário (CEU) a prisão do advogado. Para Xênia Mello, candidata do PSol, a agressão sofrida pelo advogado é mais ainda mais grave pelo fato de Freitas Júnior ser negro. “ O fato dele ser negro impõe a ele um tratamento racista. Se ele fosse bonitão como o Requião Filho, branco, ele não receberia o mesmo tratamento”, disse.

“Tem que ter uma resposta já”, disse o candidato do PT Tadeu Veneri. “Não tem que abrir um inquérito para ter uma resposta daqui seis meses”, disse.

O candidato Requião Filho (PMDB) também comentou o episódio. “Eu quero acreditar que não tenha acontecido aquilo. Porque se aquilo aconteceu aqui em Curitiba com a Guarda Municipal, significa que nós temos que rever o treinamento desses guardas, fazer com que eles entendam quem são as pessoas. A força nunca é a saída”, disse o deputado.

Candidato a vice na chapa do prefeito Gustavo Fruet (PDT), o vereador Paulo Salamuni (PV) criticou o excesso, mas defendeu a atuação da Guarda Municipal, afirmando que o caso do advogado é uma exceção. “Deplorável. A prefeitura e a direção da Guarda já estão tomando todas as atitudes inerentes a esse caso”, disse o vereador. “A grande maioria da Guarda não faz isso e não toma esse tipo de atitude. Ela é preparada para ser uma Guarda cidadã, democrática e republicana”, finalizou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.