Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Ben Abraham, sobrevivente do holocausto, morre aos 90 anos em SP

história

Ben Abraham, sobrevivente do holocausto, morre aos 90 anos em SP

Abraham será enterrado no próximo domingo (11), às 11h, no Cemitério Israelita do Butantã

  • Folhapress
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A dois meses de completar 91 anos, o escritor e sobrevivente do holocausto Ben Abraham morreu nesta sexta-feira (9) em São Paulo.

Natural de Lodz, na Polônia, Abraham nasceu em 11 de dezembro de 1924 e foi batizado com o nome de Henry Nekrycz. Em setembro de 1939, os alemães chegaram à cidade de Lodz e prenderam todos os judeus em um gueto cercado. Aos 14 anos, ele acompanhou fuzilamentos em massa, enforcamentos coletivos e massacre de crianças.

Abraham passou duas intermináveis semanas pelo campo de concentração de Auschwitz durante a guerra até ser “comprado” por uma fábrica alemã de caminhões. Ali, perdeu o pai, que escapou dos caminhões transformados em câmaras de gás para os quais Abraham viu amigos serem levados, mas não sobreviveu à fraqueza causada pela fome. “Minha mãe dizia que ele teve sorte, pois ao menos teve um enterro judeu [no gueto]”, lembra em uma de suas entrevistas à Folha.

Sua mãe não teve. Com Abraham, foi levada ao campo de concentração de Auschwitz, de quem se separou já na chegada. “Despedi-me pedindo que Deus nos ajudasse a sobreviver à guerra para nos reencontrarmos. Nunca mais a vi. Uma mulher que trabalhava junto com ela disse que foi enviada pelo [cientista nazista Joseph] Mengele para a morte.”

“Vi chaminés do crematório funcionando dia e noite. Senti nas minhas narinas o cheiro da carne queimada e, naquela época, perambulando pelos campos, esfomeado e esfarrapado, jurei a mim mesmo que, caso sobrevivesse à guerra, contaria ao mundo [esta história] como alerta.”

Abraham dizia não saber qual era a mais terrível lembrança: a morte do pai, a despedida da mãe, as imagens da fumaça preta dos corpos queimando em Auschwitz. “Talvez seja a de quando alemães chegaram a um hospital no gueto e, levando crianças pelas pernas, esmagaram suas cabeças contra o muro e jogaram seus corpos em caminhões.”

Ele chegou ao Brasil em 1954 e recebeu a naturalização em 30 de janeiro de 1959. Quando presidiu a Associação dos Sobreviventes do Holocausto (Sherit Hapleitá) no Brasil, Ben Abraham defendeu que os jovens aprendessem nas escolas o que aconteceu durante o Holocausto.

“Hitler foi eleito nas eleições livres e democráticas. É preciso alertar em quem votar, para não sermos iludidos como aconteceu com o povo alemão”, dizia ele. “É preciso aprender a história do passado para viver no presente e enfrentar o futuro com cabeça erguida”, afirmava.

Abraham será enterrado no próximo domingo (11), às 11h, no Cemitério Israelita do Butantã.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE