i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
policiamento

Cachorro dócil e brincalhão é o terror do tráfico de drogas em Curitiba

  • PorMarcos Xavier Vicente
  • [20/09/2016] [16:02]
Lótus, pastor belga malinois de 6 anos, é o cão recordista de apreensões de drogas da Polícia Militar. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Lótus, pastor belga malinois de 6 anos, é o cão recordista de apreensões de drogas da Polícia Militar.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Quem vê Lótus brincando com crianças não acredita. Mas o pastor belga malinois de 6 anos e comportamento dócil, que costuma se apresentar em escolas e é constantemente abordado na rua para fotos, é o pesadelo dos traficantes.

Veja fotos dos cachorros da PM

Graças ao faro certeiro do cachorro, 805 quilos de entorpecentes foram retirados de circulação pela Polícia Militar.Nos últimos cinco anos, o pastor foi responsável por 31% de todas as apreensões de drogas feitas pela Companhia de Operações com Cães (COC) em Curitiba e região metropolitana. Dos oito cães farejadores de entorpecentes da unidade, nenhum tem média tão alta.

Lótus com seu condutor, o soldado Alexandre Alves.Albari Rosa/Gazeta do Povo

A eficiência de Lótus é tanta que em determinados locais o cachorro já é bem conhecido. “Na Ilha do Mel ‘amam’ o Lótus. É só ele chegar na fila da barca que o pessoal já começa a se livrar do flagrante antes mesmo da revista”, brinca o soldado Alexandre Alves, 32 anos, condutor do cão.

A eficiência também corre no boca a boca da bandidagem. Volta e meia o soldado ouve comentários de traficantes na escuta da polícia sobre cargas interceptadas pelo cão. “Geralmente eles reclamam que a droga estava bem escondida, mas aí chegou o cachorro do capeta, como eles chamam o Lótus, e encontrou”, diverte-se o soldado.

Alves conta que o cachorro já chamava atenção filhote. Da ninhada, era o mais agitado, o que levou os policiais a separá-lo para treinamento. “No caso dos cães farejadores, a escolha sempre é pelo filhote que mais gosta de brincar. Afinal, é isso o que ele vai fazer no trabalho policial”, explica o soldado, lembrando que o animal não tem contato com nenhum tipo de entorpecente, só com o odor. Ou seja, o cachorro não inala nenhum tóxico.

Filhotes de cruzamentos de cachorros policiais geram economia à PM

Para ganhar tempo e economizar dinheiro, a Polícia Militar costuma cruzar alguns cachorros para depois treinar os filhotes. Um único filhote das raças utilizadas pela PM pode custar até R$ 3 mil. “A compra deve ser feita por licitação, o que também demanda tempo”, aponta o comandante da Companhia de Operações com Cães (COC), capitão Gustavo Dalledone Zancan (foto).

Recentemente, uma cadela da raça bloodhound, usada na busca de pessoas - seja de criminosos fugitivos ou pessoas desaparecidas -, deu cria a quatro filhotes. Dois vão ser treinados em Curitiba e dois já foram encaminhados para unidades da PM no interior. “Só nessa ninhada, a Polícia Militar economizou aproximadamente R$ 12 mil do estado”, ressalta Zancan.

A lista de locais em que Lótus já encontrou drogas é variada. Há poucas semanas, o próprio policial que o conduz ficou admirado. Após vasculhar uma residência inteira, o cachorro se ateve à parede da cozinha. “Até eu achei que não tinha nada ali, porque a parede era azulejada. Mas quando passei na segunda vez, o Lótus começou a arranhar o local. Aí não teve jeito. Os colegas tiveram que arranjar uma marreta para quebrar a parede”, afirma Alves. Ao fazer um buraco, os policiais encontraram tijolos de maconha.

As quantidades também variam. Em um caminhão carregado de soja, bastou Lótus subir na carroceria para começar a cavoucar os grãos, onde estavam escondidos 300 quilos de maconha. Já na revista ao ônibus de uma torcida organizada que vinha de São Paulo, Lótus começou a morder a cortina da janela. Os policiais balançaram o pano e não encontraram nada. Só conseguiram o flagrante quando rasgaram a costura minúscula da barra da cortina, onde estava uma bucha de cocaína. “O cachorro não é mágico. Se tiver o odor, por menor que seja, que venha de uma frestinha de milímetros, ele detecta”, ressalta Alves.

Em forma

De todas as qualidades de Lótus, Alves destaca o pique. “Se for preciso, ele atravessa rio, levanta toco de madeira com o fuço, faz tudo para encontrar a droga. Não tem obstáculo que pare ele”, enfatiza.

Para manter esse ritmo, o policial tem que cuidar da forma física do animal. De segunda a sexta-feira, todas as manhãs, ambos correm juntos por uma hora. Depois, Lótus volta ao canil, se hidrata, se alimenta e tira um cochilo. Na sequência, vem o treino técnico. Recipientes são espalhadas nos locais mais variados para treinar não só o o olfato, mas também agilidades específicas, como a capacidade de subir em obstáculos”. “A gente nunca sabe onde vai encontrar a droga”, ressalta Alves.

Nas férias de Alves, Lótus também tem um descanso, quando até chega a ir para a casa de seu condutor por alguns dias. Senão, mesmo de folga, o soldado vai ao canil visitá-lo - assim como a maioria dos policiais que atua no COC faz com seus animais no período de descanso. “Se o condutor fica muito tempo longe, pode afetar a produtividade do cachorro. É que nem ir na academia. Se a pessoa deixa de ir, não alcança os mesmos resultados quando volta”, explica o capitão Gustavo Zancan, comandante do COC.

Mas, no caso do soldado Alves, não foram só as férias que o fizeram retornar para ver o companheiro. No período de oito meses em que trabalhou em outro setor da PM, era difícil a semana em que não visitava o cachorro no canil. “Sempre batia saudade. Além do que, trabalhar com bicho, para mim, é bem melhor”, enfatiza.

Funções

A Polícia Militar possui 160 cachorros em unidades de todo o Paraná. Basicamente, os animais cumprem três funções: patrulhamento, faro de entorpecentes/explosivos e busca de pessoas. Conheça cada uma das funções e as raças mais adequadas para elas:

Patrulhamento

Cabo Marcos Aurélio de Souza e o pit bull Steve, de 6 anos, que fez a segurança de atletas e torcedores na Olimpíada Rio-2016.Albari Rosa/Gazeta do Povo

Função - o cachorro é um reforço do policiamento ostensivo. O animal atua na prevenção e controle de distúrbios, como em estádios de futebol e rebeliões em presídios. “Nesse caso, o cão chega a prevenir a ação de um batalhão inteiro em algumas ocasiões, já que um latido muitas vezes é mais eficiente do que uma ordem do policial”, explica o capitão Gustavo Dalledone Zancan, comandante do COC.

Raças – pastor belga malinois, pastor alemão, rottweiller, doberman e pit bull.

Faro de entorpecentes e explosivos

O soldado Alexandre Alves com o pastor belga malinois Lótus, de 6 anos, recordista de apreensões de drogas da PM. Albari Rosa/Gazeta do Povo

Função – o cachorro é treinado para identificar substâncias químicas. O faro do animal é tão aguçado que ele consegue diferenciar e identificar diversos odores, mesmo que misturados. “É como se fosse uma pizza: nós só conseguimos identificar o cheiro geral dela, mas o animal consegue diferenciar cada um dos ingredientes”, ilustra o capitão Gustavo Zancan, comandante da COC.

Raças – pastor belga malinois, labrador, cocker spaniel e beagle.

Busca de pessoas

Soldado Felipe Kanitz com o bloodhoud Feijão, de seis meses, que está sendo treinado para busca de pessoas. Albari Rosa/Gazeta do Povo

Função – o cachorro é condicionado a encontrar pessoas – sejam criminosos fugitivos ou pessoas desaparecidas. Além do faro aguçado, o animal tem que ter uma boa resistência física para caminhar longos trajetos em ambientes inóspitos, como matas. Há dez anos, a PM treina cachorros da raça bloodhound, considerada a melhor para a função. “Há um estudo da Espanha que mostra que esses cachorros são capazes de memorizar determinados odores mesmo que não tenham contato com o cheiro por cinco anos”, aponta o capitão Gustavo Zancan, comandante da COC.

Raça – bloodhound

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.