i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estado de alerta

Cascavel tenta assimilar impacto do caso na cidade

  • PorFelippe Aníbal, enviado especial
  • 10/10/2014 21:04

O dia seguinte à eclosão da suspeita do primeiro caso de ebola no Brasil foi marcado pelo receio, em Cascavel. A Unidade de Pronto Atendimento II, onde Souleymane Bah foi atendido, reabriu às 13 horas de ontem. Mas, ao contrário da lotação costumeira, apenas meia dúzia de pessoas esperava tratamento. Os vizinhos, ainda ressabiados, tentavam assimilar a movimentação do dia anterior.

"Medo dá, mas a gente precisava de atendimento. Acabei arriscando. Pelo menos hoje deve ser rápido", disse a auxiliar de cozinha Marli Alves Batista, que buscava socorro para o filho de 16 anos.

Na noite anterior, quando a suspeita veio à tona, 24 pacientes que estavam na unidade foram impedidos de sair. Segundo vizinhos, a polícia foi acionada, porque parentes queriam retirá-los à força, causando tumulto. Hoje, já refeito da tensão, Antonio Siqueira dos Santos, que mora em frente à UPA-II, só teve coragem de sair de casa depois que o posto reabriu. "A gente fica apreensivo. Se precisasse de atendimento, eu ia procurar em outro lugar. A gente nunca sabe", afirmou.

No restaurante em frente à UPA-II, apenas duas das doze mesas estavam ocupadas. Segundo o dono do estabelecimento, Rosalino Rosin, cerca de 200 clientes por dia fazem suas refeições ali. Ontem, o número de atendimentos no restaurante não chegou a 40 pessoas. Os salgados também encalharam na estufa. "Normalmente, ferve de gente. Toda essa situação criou um pânico", disse.

Nos arredores do albergue da Sociedade Espírita Irmandade de Jesus, os moradores ficaram espantados quando souberam que o guineano que pode estar infectado com o vírus do ebola vivia tão próximo.

Desinfecção

A UPA-II e a ambulância que conduziu Bah ao aeroporto foram desinfectados na manhã de ontem. Funcionários que usavam trajes específicos de isolamento lavaram todos os compartimentos com água e sabão e, em seguida, aplicaram ácido peracético. As roupas dos pacientes que estavam na unidade quando o guineano foi atendido foram retidas. As peças serão esterelizadas por uma empresa contratada pela prefeitura. "Feito este procedimento, já não há mais risco", disse a coordenadora do Samu, Jéssica Adriane Zielinksi.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.