i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Julgamento

Caso Zanella condena mais um policial

Carlos Henrique Dias era escrivão na época da morte do estudante, e teria registrado os fatos de forma distorcida, para confirmar a versão dos outros policiais

  • PorDa Redação
  • 11/03/2010 21:15

Mais um policial acusado de participação no esquema que encobriu provas no caso da morte do estudante Rafael Rodrigo Zanella, em maio de 1997, foi condenado ontem. Carlos Henrique Dias era um dos escrivães do 12.º Distrito Policial, em Santa Felicidade, quando aconteceu o crime. Até o fechamento desta edição, às 23 horas, no entanto, a pena de Dias ainda não havia sido divulgada.

O julgamento de Dias foi o segundo em uma semana envolvendo acusados pela fraude. Em uma sessão que terminou na madrugada de quarta-feira, o policial Daniel Luís Santiago Cortes tinha sido condenado a 12 anos e 10 meses de prisão. Carlos Henri­que Dias foi a sexta pessoa julgada por envolvimento no caso da morte do estudante e era acusado de ter registrado os fatos de forma distorcida na noite do assassinato.

O advogado de Dias, Antônio Rabello de Mello, argumentou que não havia como ele saber que tudo se tratava de uma farsa. "Dias não participou da manipulação do local. Era escrivão e chegou à delegacia quatro horas depois da ocorrência. Ele acreditou nos policiais e registrou o que eles contaram", defendeu.

Durante o julgamento de ontem foram ouvidos os promotores do Ministério Público, os advogados de defesa, as testemunhas do réu e o próprio acusado. A sessão começou às 9 horas. Antes do julgamento foram sorteados sete jurados, dos 21 convocados, para formar o júri popular. O julgamento ocorreu no Tribunal do Júri, no Centro Cívico, em Curitiba.

Na próxima segunda-feira, será julgado Maurício Bittencourt Fowler, na época um dos delegados do 12.º DP. Ele teria sido o mentor da farsa e é acusado de tentar convencer os rapazes que estavam com Zanella a confirmar que o jovem era um traficante.

O crime

Na noite de 28 de maio de 1997, o estudante universitário Rafael Rodrigo Zanella foi abordado por três policiais civis – Aírton Adonski, Reinaldo Siduovski e Jorge Élcio Bressan –, pelo estudante de Direito Guilherme Vieira Doni e por um informante da polícia, Almiro Deni Schmidt. Estes dois últimos prestavam serviços de forma irregular no 12.º Distrito Policial (DP). Quando parou o carro que dirigia, o universitário, confundido com um traficante, levou um tiro na cabeça.

Logo depois do assassinato, os homens envolvidos no assassinato tentaram mudar a cena do crime. Eles colocaram um revólver na mão de Zanella e deixaram maconha na roupa dele. O objetivo era alegar que o rapaz era um traficante que reagiu à abordagem policial. Cerca de uma semana depois do fato, uma perícia revelou toda a armação realizada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.