i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Casos simples nas unidades básicas

  • Por
  • 07/04/2007 19:56

A recomendação da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba é para os usuários procurarem os Centros Municipais de Urgências Médicas (CMUM) somente em casos graves ou de maior complexidade. Em casos mais simples, o ideal ainda é procurar as unidades básicas. São 95 em toda a cidade, sendo 47 básicas e 48 do Programa Saúde da Família, aptas a atender situações que não se caracterizam como urgências.

"Queremos concentrar as patologias de baixa complexidade e os exames de rotina na rede básica de saúde", afirmou o secretário municipal de Saúde e vice-prefeito de Curitiba, Luciano Ducci. Ele ressalta, no entanto, que os CMUMs são "abertos", ou seja, não foram criados para atender apenas a população de uma determinada região, como as unidades básicas. "O Centro de Urgências é aberto, colocamos um em cada regional somente para facilitar para a população."

Para Ducci, os Centros Municipais de Urgências representam um "novo conceito" em saúde pública. "Melhora em muito a qualidade do atendimento, por conta da ampliação significativa da sala de espera. Dá mais conforto para o cidadão que está lá dentro. Antigamente as unidades tinham corredores", comentou. "O conceito muda, porque deixa de ser um ‘postão’ de atendimento e passa a ser um mini-hospital, com enfermarias masculina, feminina e pediátrica e isolamento para doenças infecto-contagiosas. Temos a sala vermelha para casos graves, repiradores e desfibriladores."

Ducci é um entusiasta da saúde pública, mas acha que as remunerações são muito baixas e que falta investimentos. "Acredito na saúde pública, mas com mais recursos do que hoje", disse, lembrando que a prefeitura de Curitiba aplica na área os 17% estipulados por lei. "Desde que foi implantada a URV (Unidade Real de Valor) e veio o Real (em julho de 1994), praticamente não houve reajustes significativos no pagamento dos serviços realizados pelo SUS (Sistema Único de Saúde), principalmente de baixa e média complexidade. Isso sufoca muito os atendimentos hospitalares e ambulatoriais."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.