i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
na bahia

Causa de contaminação água por urânio tem que ser analisada, diz Ibama

“O parecer indicou necessidade de informação mais aprofundada de dados geológicos, geoquímicos e hidrogeológicos da região”, afirmou o coordenador do órgão

    • Estadão Conteúdo
    • 21/10/2015 11:55

    As declarações feitas pelo governo baiano e pela estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB) de que a contaminação da água por urânio no interior da Bahia decorre da presença natural do minério na região não são suficientes para comprovar o que, de fato, levou à presença do material na água. Em audiência pública realizada na terça-feira (20), pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, o coordenador geral de Transporte, Mineração e Obras Civis do Ibama, Jônatas Souza da Trindade, disse que ainda não foi possível ter um parecer conclusivo sobre o assunto, em razão das poucas informações enviadas pela INB em relação às águas subterrâneas da região de Lagoa Real e Caetité, no sudoeste baiano.

    “O parecer indicou necessidade de informação mais aprofundada de dados geológicos, geoquímicos e hidrogeológicos da região”, afirmou Trindade. “O Ibama consegue informar que, sobre a água superficial, realmente a unidade se encontra em uma bacia hidrográfica diferente. Mas precisa dessa confirmação sobre as águas profundas.”

    Após nova análise, Bahia confirma contaminação de água por urânio

    Leia a matéria completa

    No dia 22 de agosto, relatou Trindade, quando o Ibama teve conhecimento sobre um poço contaminado com alto teor de urânio na zona rural de Lagoa Real, a partir de denúncia publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, foi encaminhada uma autuação à INB para que prestasse esclarecimentos. As respostas foram dadas quatro dias depois.

    No dia 10 de setembro, o Ibama finalizou sua análise técnica em relação à INB. Explicações complementares sobre o caso também foram enviadas pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). “No dia 17 de setembro, o Ibama encaminhou um parecer para conhecimento e providências da CNEN. O ofício informa que a INB deveria tomar providências no sentido de apresentar um relatório mais robusto a cerca da situação”, disse Trindade.

    O relatório enviado pela estatal, comentou o representante do Ibama, apresenta algumas informações - como a presença da anomalia (jazida de urânio) 7 na região - para indicar que há presença natural de urânio. “Mas, como não apresentou um dado geoquímico, uma apresentação mais técnica, nosso parecer indicou que deveria ser apresentada essa informação, para confirmar se ou não vínculo da contaminação com as atividades da empresa.”

    O poço contaminado está localizado a 15,8 km do local de exploração de urânio, segundo o Ibama. A INB alega ainda que a comunidade Varginha, onde fica poço contaminado, está localizada numa sub-bacia hidrográfica (Sub-Bacia do Rio São Pedro) diferente daquela onde se situa a unidade da empresa (Sub-Bacia do Riacho das Vacas), o que, segundo a empresa, significa que suas atividades não têm influência sobre a contaminação.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.