i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Judiciário

Centro ainda está nos planos

  • PorVinicius Boreki
  • 19/01/2010 21:04

A transferência de detentos para o Presídio do Ahú não significa que o governo do estado e o Tribunal de Justiça (TJ) abandonaram a construção do Centro Judiciário de Curitiba, previsto para o terreno onde se localiza a cadeia. Na opinião do procurador-geral do Estado, Carlos Marés, a estadia dos detentos será provisória.

"O projeto do novo Centro está pronto, mas faltam algumas licitações para a construção se iniciar. As licitações são feitas pelo TJ e pela Secretaria de Obras do governo, por isso os presos vão permanecer temporariamente no Ahú", garante Marés. O início das obras do Centro, no entanto, se arrasta há, pelo menos, dois anos.

Um dos empecilhos para o início das obras é a finalização da compra de um terreno do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ao lado do presídio. Conforme Marés, a aquisição pode ser concluída em 30 dias.

"A compra está próxima de terminar. Mas falta o acerto entre o governo do estado e o INSS em algumas condições, como o pagamento de dívidas", afirma Marés. O terreno também está em disputa na esfera judicial, já que há famílias que apresentam documentos que comprovam a posse e os herdeiros do ex-governador Bento Munhoz da Rocha também dizem ter direito a uma parte que está sendo vendida.

Independentemente da compra, Marés afirma que o Centro Judiciário será construído mesmo que a compra da área contígua não ocorra. "A construção não depende da compra. As licitações ainda estão emperradas", diz o procurador-geral do Estado. Segundo o projeto, a obra será executada em partes. "É uma obra extremamente cara, impossível de fazer de uma só vez", afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.