i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
medicamento

CFM define melhor forma de receitar o canabidiol

  • PorFolhapress
  • 11/12/2014 21:07
A maconha possui mais de 480 componentes. Desses, 80 são canabinoides e, entre eles, está o canabidiol (CBD). É melhor absorvido com óleo | Henry Milléo/ Gazeta do Povo
A maconha possui mais de 480 componentes. Desses, 80 são canabinoides e, entre eles, está o canabidiol (CBD). É melhor absorvido com óleo| Foto: Henry Milléo/ Gazeta do Povo

O Conselho Federal de Medicina publicou uma resolução que autoriza os médicos a prescreverem o canabidiol, derivado da maconha usado para fins medicinais, para o tratamento de epilepsia em crianças e adolescentes. A prescrição do CDB só poderá ocorrer, no entanto, como última alternativa.

Pelo texto da resolução, entende-se também que o CFM veta a indicação da substância como primeira opção de tratamento ou mesmo para adultos. De acordo com a resolução, somente médicos da área de Neurologia, como neurocirurgiões e psiquiatras, poderão receitar o canabidiol aos pacientes.

Hoje, o óleo rico em CBD, que é um dos 80 canabinoides presentes na maconha, é proibido no país e só pode ser importado após autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Entre as exigências do órgão, está a apresentação de prescrição médica.

O documento também regulamenta outras medidas, como dose mínima por dia de 2,5 mg/kg e máxima de 25 mg/kg, podendo ser dividida em duas doses ou mais. O CFM também anunciou que está criando uma plataforma on-line para registro dos médicos e pacientes que fazem o tratamento com o CBD.

O sistema entrará em funcionamento na segunda-feira, 15 de dezembro. A ideia é realizar um monitoramento do uso e, assim, avaliar a segurança e possíveis efeitos colaterais da medicação. Um relatório de acompanhamento deverá ser enviado com periodicidade de até seis semanas.

Antes de prescrever o tratamento com base em derivado da maconha, o médico também deverá informar o paciente sobre riscos e potenciais benefícios do tratamento. Os interessados também deverão apresentar um termo de consentimento.

A resolução do CFM veda também a prescrição de cannabis in natura para fins medicinais, bem como outros derivados, e afirma que o grau de pureza da substância e sua apresentação devem seguir determinações da Anvisa. "Não temos elementos científicos que possam indicar a Cannabis sativa para outros fins", afirma o presidente do conselho, Carlos Vital.

Segundo Vidal, a decisão de autorizar os médicos a receitarem canabidiol ocorreu por "demanda social" e após análise de 120 estudos. A resolução vale por dois anos, quando deverá ser revista.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.