i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Seguraça pública

Chacina não muda policiamento

Secretário Delazari nega que vá rever esquema de atuação em Guaíra devido ao massacre desta semana

  • PorViviane Favretto e Agência Estado
  • 24/09/2008 21:01
Delazari, em Guaíra: para Secretaria de Segurança, morte de 15 pessoas foi um “caso isolado” | Rodolfo Büher/Gazeta do Povo
Delazari, em Guaíra: para Secretaria de Segurança, morte de 15 pessoas foi um “caso isolado”| Foto: Rodolfo Büher/Gazeta do Povo

Mesmo com reforços, crime ainda atua

Foz do Iguaçu - Mesmo com o reforço de 200 policiais, empenhados em investigar a chacina de Guaíra, os traficantes de drogas e contrabandistas da região parecem continuar sua rotina na fronteira com o Paraguai. Em patrulhamento pelo Rio Paraná, em Foz do Iguaçu, agentes federais da Delegacia Especial de Polícia Marítima (Depom) prenderam ontem em flagrante dois homens e apreenderam um adolescente, todos paraguaios, no momento em que se aproximavam da margem brasileira. Eles estavam carregados de mercadorias contrabandeadas do Paraguai.

Leia a matéria completa

Cerco em Foz

O cerco ao contrabando e ao narcotráfico na tríplice fronteira tem forçado as quadrilhas a mudar a logística da criminalidade. No mesmo passo, os órgãos de repressão adaptam também os alvos de fiscalização e combate às atividades ilícitas, com ações que se estendem desde Foz do Iguaçu a Mundo Novo.

Leia a matéria completa

Um dia depois de ter estado em Guaíra, no Noroeste do estado, e dizer que o governo pode "rever" a estratégia de policiamento para a cidade que foi palco da chacina de 15 pessoas na segunda-feira, o secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, afirmou ontem que o governo entende o crime como um "fato isolado". Ele explicou que essa análise está baseada no fato de Guaíra ter registrado – do início do ano até a data do massacre – 13 homicídios.

Segundo o secretário, o número é um indício de que não há "explosão da criminalidade". Também disse que ele não afirmou exatamente que iria rever o policiamento na cidade. Explicou apenas que a estrutura policial "é mutável" e que a todo momento o governo está revendo e reestruturando o atendimento, mas que isso não quer dizer que serão feitas mudanças agora em Guaíra. No momento, ainda estão na cidade os policiais que foram deslocados para investigar o caso da chacina, mas todos devem voltar a suas cidades.

Delazari participou ontem, em Curitiba, da inauguração da sede reformada da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), no bairro Batel. Durante entrevista na inauguração, o secretário descartou a possibilidade de reivindicar a presença do Exército para combater o crime na fronteira e também afirmou que não há recursos específicos para aquela região dentro do bolo do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). O Paraná já tem garantidos R$ 13,52 milhões do programa. São R$ 2,704 milhões para o estado e R$ 10,82 milhões para os municípios da região metropolitana de Curitiba.

Mais segurança

Guaíra é considerada uma das principais rotas do tráfico de drogas e do contrabando de cigarros via Paraguai. Por isso, a Procuradoria da República em Umuarama já pediu à União que aumente o efetivo de segurança no entorno da cidade, mas não foi atendida. "Na visão do Ministério Público Federal, a União abandonou as fronteiras. Faltam policiais rodoviários, federais e fiscais da Receita Federal. Isso não é um problema só de Guaíra, mas de todas as regiões de fronteira", afirma o procurador da República em Umuarama, Robson Martins, autor da ação de fevereiro que solicitava a contratação de mais agentes.

Atualmente, a Receita Federal, que é subordinada à Delegacia de Foz do Iguaçu, tem apenas cinco fiscais na região de Guaíra e a Delegacia da Polícia Federal tem 20 agentes, mas nem todos atuam na repressão ao crime organizado. O único posto da Polícia Rodoviária Federal em funcionamento na Ponte Ayrton Senna, que divide os estados do Paraná e Mato Grosso do Sul, foi instalado graças a uma liminar obtida pela Procuradoria da República em Umuarama. Ao todo há 14 policiais que se revezam para fiscalizar o trânsito no trecho da BR-163 entre Guaíra e Mundo Novo (MS).

Além do incremento das forças federais de segurança, a Procuradoria já protocolou no Tribunal Regional Federal quatro pedidos para a instalação de Vara Federal e Procuradoria da República em Guaíra, para dar conta de processos criminais em curso. Atualmente, as ações originárias da cidade paranaense são remetidas à Procuradoria de Umuarama, que fica a 120 quilômetros da fronteira. Na base da Receita, os processos vão para Foz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.