i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Clima

Cheia faz vítimas no Paraguai

  • PorFabiula Wurmeister, da sucursal
  • 19/10/2009 21:07
Em Ciudad del Este, famílias estão desabrigadas há várias semanas | Christian Rizzi/ Gazeta do Povo
Em Ciudad del Este, famílias estão desabrigadas há várias semanas| Foto: Christian Rizzi/ Gazeta do Povo

Foz do Iguaçu - As constantes chuvas que atingem o Paraná e estados vizinhos há mais de um mês têm tirado o sono de dezenas de famílias ribeirinhas da fronteira. Com as precipitações registradas nos últimos dias, os níveis dos rios Paraná e Iguaçu estão em média 15 metros acima do nível normal. No lado brasileiro, os moradores das áreas mais baixas estão sendo transferidos para áreas mais altas, porém alguns ainda resistem. No lado paraguaio, já chega a 80 o número de famílias desabrigadas pela enchente.

Considerada atípica para essa época do ano, a vazão na confluência dos dois rios ultrapassou o dobro do normal ontem, atingindo 29,2 mil metros cúbicos por segundo. Em Foz do Iguaçu, a água avança principalmente em direção aos bairros mais próximos do ponto onde fazem fronteira Brasil, Paraguai e Argentina e da Ponte da Amizade. Em Ciudad del Este, a cheia agravou a situação no bairro San Rafael, onde cerca de 80 famílias estão desabrigadas, muitas delas há quase um mês, quando os rios Acaraymí e Paraná começaram a subir.

Alertada pela Comissão de Cheia da Itaipu Binacional, que monitora a vazão dos dois rios, a Coordenação Municipal de Defesa Civil começou a informar as famílias e iniciar a remoção das mais ameaçadas ainda no fim de semana. Com medo de saques, a maioria se nega a abandonar o local e prefere se abrigar em barracas de lona. "A ameaça é grande, mas muitos vão ficar até não terem mais condições. Estamos monitorando e, se a situação piorar, eles terão de sair", comentou o diretor-operacional da Defesa Civil em Foz do Iguaçu, Júlio Kasmin.

O nível dos rios deve manter os mesmos patamares por mais um dia. A partir de amanhã ou quinta-feira, a previsão do tempo indica mais chuvas para a região e, consequentemente, mais alagamentos. Com o grande volume de água, o vertedouro da usina de Itaipu passou quase metade do mês de setembro aberto, situação que se repete agora em outubro. Segundo a assessoria de imprensa da hidrelétrica, situação semelhante só foi registrada no fim dos anos 80. Nas Cataratas do Iguaçu, o volume de água era oito vezes maior que o normal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.