i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Semana Nacional do Trânsito

Ciclistas pedalam nus no Dia Mundial sem Carro

Integrantes do movimento Bicicletada enfrentam o frio de 15ºC e tiram a roupa durante o percurso para representar a liberdade proporcionada pela “magrela”

  • PorMarcos Paulo de Maria com agências
  • 22/09/2008 21:01
Carros poluem, criam congestionamentos e causam acidentes. Veja algumas estatísticas |
Carros poluem, criam congestionamentos e causam acidentes. Veja algumas estatísticas| Foto:

Motorista curitibano é individualista

Autora dos livros Vença o Medo de Dirigir (2000) e Seu Carro, Sua Casa Sobre Rodas (2006), a psicóloga Neuza Corassa classificou os comportamentos dos motoristas.

Confira a entrevista

Cerca de 250 ciclistas percorreram as ruas centrais de Curitiba, na noite de ontem, para promover o Dia Mundial sem Carro. Mesmo sem a participação da prefeitura, um pedalaço foi organizado pelo movimento Bicicletada. Apesar do vento frio, um grupo de ciclistas ficou nu durante o trajeto. Segundo um dos membros do movimento, Jorge Brand, a atitude dos nudistas foi uma forma de representar "a liberdade que a bike proporciona". Os ciclistas partiram da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), por volta das 18h30, e terminaram o pedalaço em frente à prefeitura de Curitiba, no Centro Cívico, às 20h30.

Com faixas nas mãos, os manifestantes fecharam metade da Rua Amintas de Barros, ao lado da Reitoria. "O carro, que é um bem privado, faz uso de um espaço público preparado para recebê-lo, já a bicicleta não tem esse mesmo direito, não há ciclofaixas nas ruas. A falta de infra-estrutura reprime o uso da bicicleta como meio de transporte", diz o ciclista Marcelo Garniski. Os motoristas de carros e ônibus, que passaram pela Amintas de Barros, tiveram de redobrar a atenção para desviar dos manifestantes.

Após a largada na Reitoria, os ciclistas passaram pela Boca Maldita, no calçadão da Rua XV, visitaram a Praça Tiradentes e terminaram o percurso, por volta das 20h30, em frente à prefeitura, no Centro Cívico. No trajeto estipulado, homens e mulheres ficaram nus por alguns instantes no frio de 15°C. Segundo Brand, os ciclistas entregaram aos assessores da prefeitura, papéis com as reivindicações dos manifestantes. "Queremos a implantação de ciclofaixas e medidas de integração da mobilidade entre bicicletas e o transporte coletivo."

Para Gustavo Augusto, de 15 anos, que participou do pedalaço, a bicicleta preserva o ambiente e o bem-estar da população. "A bike não polui e não provoca acidentes graves. É o melhor veículo para se locomover numa cidade grande. O que falta é a conscientização", ressalta.

Carta

No início da tarde, antes do pedalaço, os membros do movimento aguardaram os candidatos à prefeitura de Curitiba para entregar uma carta de compromisso com os ci-clistas e realizar um pequeno debate de propostas. Apenas quatro candidatos compareceram: Gleisi Hoffmann (PT), Carlos Moreira (PMDB), Maurício Furtado (PV) e Bruno Meirinho (Psol).

Os manifestantes ainda ocuparam vagas destinadas aos carros na Praça Santos Andrade. No local, os ciclistas montaram a "vaga-viva", com sala de estar, café e bolacha para os pedestres que passavam pela rua. Os motoristas que passaram pela praça aprovaram a manifestação. "Todo mundo gosta de andar de bicicleta como lazer. Mas, se ela pode ser usada para ir ao trabalho, os ciclistas têm direito de ter espaço para circular, assim como todos os outros veículos", diz o motorista Carlos da Cruz.

Brasília

No Dia Mundial sem Carro, o ministro das Cidades, Marcio Fortes, fortaleceu a idéia de que é preciso melhorar infra-estrutura dos centros urbanos para incentivar o uso do transporte público coletivo e da bicicleta. Em prol da "magrela", o ministro também participou de um passeio ciclístico na Esplanada dos Ministérios.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.