i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
inovação

Cientistas usam energia nuclear para combater o Aedes aegypti em Pernambuco

    • RECIFE
    • Folhapress
    • 16/02/2016 14:54
    Aedes aegypti, na fase de pupa | Daniel Castellano/Gazeta do Povo/Arquivo
    Aedes aegypti, na fase de pupa| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo/Arquivo

    Com a ajuda da energia nuclear, cientistas do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, da Fiocruz em Pernambuco e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) estão esterilizando mosquitos machos do Aedes aegypti. Esses insetos são responsáveis pela transmissão de três doenças: dengue, chikungunya e do vírus da zika.

    O objetivo da nova estratégia, ainda em fase de testes, é diminuir a população desses mosquitos. Ao todo, 36 mil insetos estéreis foram soltos, na vila da Praia da Conceição, em Fernando de Noronha (PE).

    Teste rápido para zika na Unicamp será feito apenas em grávidas e bebês

    Leia a matéria completa

    Produzidos no insetário da Fiocruz-PE, os mosquitos são submetidos à radiação gama, cuja fonte radioativa é o Cobalto 60, quando ainda estão na fase de pupa (última etapa antes da fase adulta ou alada).

    Segundo Edvane Borges, professora do departamento de energia nuclear da UFPE, segundos são suficientes para tornar os machos inférteis. “Mas sem comprometer outros aspectos importantes para a sua sobrevivência, como a longevidade e o desempenho no acasalamento. Como a fêmea do mosquito fica disponível para acasalar apenas uma vez ao longo de toda a vida, o cruzamento com machos estéreis impede a reprodução”, afirmou a pesquisadora.

    A pesquisa vem sendo desenvolvida em laboratórios desde 2013. Durante esse período, os cientistas contabilizaram uma redução de 70% na densidade populacional do Aedes aegypti. Desde dezembro do ano passado, os pesquisadores começaram a testar a nova estratégia em ambiente selvagem.

    “É um ambiente relativamente isolado, onde tem apenas 25 casas, o que nos dá mais condições de controlar a pesquisa”, disse Edvane. Nos próximos cinco meses, cerca de 60 mil mosquitos inférteis serão soltos na ilha.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.