i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Adilson Alves

Coisas que (me) irritam

  • Porafernandes39@gmail.com
  • 04/03/2012 21:10
 |
| Foto:

Hoje escrevo sobre algumas construções de que não gosto. Trata-se de idiossincrasias e não do que é certo e errado na nossa língua. Os exageros devem ser postos na conta da forte gripe que me derrubou semana passada.

Uma matéria sobre as maravilhas de algumas plantas medicinais começava assim: "Você sabia que um simples chá feito a partir das folhas da hortelã pode te ajudar a perder peso"?

Não sabia. E se eu perder mais peso simplesmente me desintegro. O que me deixou curioso foi o uso de "a partir de": chá feito a partir de. Por que usar a locução "a partir de" quando o bom senso nos manda simplesmente escrever "chá feito das folhas"?

Outro exemplo de "a partir de" que causa irritação: "Atenção: as aulas começam a partir das 19 horas". Afinal de contas, a que horas começam as aulas? Se for às 19 horas, é só contar a verdade: as aulas começam às 19 horas. Por que tanto mistério? Mais um exemplo do que li semana passada: "A blusa é feita a partir de uma lã especial". Qual é a função de "a partir de" nessa construção?

Outra coisa que me irrita é uso livre, leve e solto de "junto a". Há trilhões de exemplos, mas fiquemos com este: "O governo busca apoio junto à oposição para aprovar o projeto". Acho que o governo teria mais sucesso se buscasse o apoio "da" oposição. O "junto a" pode implicar negociatas com o dinheiro do contribuinte.

Também me deixa desnorteado o uso de "enquanto" em construções do tipo "Eu, enquanto sociólogo, compreendo que a questão é mais complexa". Esta aqui é de doer: "Nós, enquanto seres humanos, somos responsáveis pelo meio ambiente". Ora, não podemos ser outra coisa que não seres humanos.

Finalizo com um jargão insuportável em textos acadêmicos: "vai no sentido". Eis um exemplo: "Este artigo vai no sentido de demonstrar que a criança não é um adulto em miniatura". Não é mesmo. E é isso que o artigo "procura" (tenta) demonstrar. Ou simplesmente demonstra.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.