i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
fernando martins

O grande coração do pequeno planeta

  • Porfernandor@gazetadopovo.com.br
  • 29/07/2015 00:01
 | Nasa / JHUAPL / SWRI / Handout / EFE
| Foto: Nasa / JHUAPL / SWRI / Handout / EFE

A passagem da sonda espacial New Horizons por Plutão deixou no público leigo uma imagem icônica: o grande coração estampado na superfície do planeta-anão, menor que a Lua. Como o astro é também o mais distante e apagado do Sistema Solar e o que possui a órbita mais “desengonçada”, pode-se ver nisso um simbolismo para quem gosta deles. Na vida, às vezes as pessoas de maior valor são as que se assemelham ao pequenino astro – aquelas que menos aparecem e de quem menos esperamos. Vale a pena procurá-las.

A busca por Plutão, por sinal, é uma dessas sagas científicas que merecem algumas linhas. Os astrônomos sabiam, décadas antes de avistá-lo, que ele estava em algum lugar da imensidão do espaço. Há coisas, afinal, que não precisamos ver para saber que existem. No caso do nosso planeta, a hipótese de que havia algo mais no céu foi formulada quando cálculos astronômicos mostraram que a órbita de Urano era perturbada pela gravidade de outro astro não mapeado. Esse misterioso corpo celeste foi chamado provisoriamente de Planeta X.

Há coisas, afinal, que não precisamos ver para saber que existem

O astrônomo norte-americano Percival Lowell dedicou dez anos de sua vida a encontrar o Planeta X, de 1906 a 1919, quando morreu. Lowell nada achou. Ou melhor: fotografou duas vezes Plutão. Mas, infeliz destino, não o reconheceu. Sim, às vezes o que queremos passa à nossa frente sem que percebamos. Mas a persistência costuma dar frutos: o planeta-anão não ficou oculto para sempre e finalmente foi descoberto em 1930.

Aqui começa outra história curiosa de nosso diminuto astro. Planeta X não era um bom nome. Como, então, batizá-lo? O observatório astronômico de Lowell recebeu a honra de nomeá-lo. Foram sugeridas mais de mil opções de nomes, vindas de vários países. E a sugestão vencedora foi de alguém em quem talvez poucos apostassem: uma menininha britânica de 11 anos, fã de mitologia clássica e de astronomia, Venetia Burney.

Plutão é o nome romano do deus do mundo inferior, subterrâneo, das sombras, para onde iam as almas dos mortos, segundo a crença da época. A sacada de Venetia foi de que esse submundo mitológico era escuro e frio, como se supunha ser o planeta. Além disso, as iniciais do novo astro remetiam às de Percival Lowell, o astrônomo que dedicou sua vida a encontrar o pequeno astro de grande coração.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.