i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Verbos do português que não existem no inglês. E o que eles dizem sobre nós

  • PorFernando Martins
  • 19/07/2016 21:42

Os tais algoritmos que regem nossas vidas digitais às vezes me irritam. Tentam adivinhar aquilo de que nós gostamos. E nos ofertam muita bobagem. Mas ok. Eu me rendo. Eles também acertam. Outro dia esbarrei em minha timeline com o vídeo de um norte-americano, Gavin Roy, no qual ele comenta sobre verbos do português que não existem no inglês (Gavin estuda nossa língua). Como as letras são meu instrumento de trabalho, me interessei. Puxando a linha da web, logo me deparei com outro vídeo em que ele comenta sobre o que mais gosta e o que menos gosta no Brasil. E aqui chego ao ponto: na visão de um estrangeiro, o que temos de bom também se expressa na forma como falamos. Mas isso acaba passando despercebido no nosso dia a dia. E ficamos imersos naquilo que há de ruim no país. E o curioso é que isso tudo tem muito a ver com o momento atual por que passamos.

Chega de voltas e vamos ao que importa. Comecemos por alguns dos verbos elencados por Gavin. “Entreolhar” é um deles. Não que os americanos não tenham como dizer o mesmo. Mas necessitam de mais de uma palavra para expressar o singelo ato de trocar olhares. “Entreolhar”, portanto, é um verbo preciso. E, principalmente, poético. A ponto de chamar a atenção de um norte-americano acostumado à objetividade.

Talvez esse não seja um dos melhores atributos do brasileiro, o que nos causa por vezes problemas. Mas, se o que é objetivo apela à mente, a subjetividade fala ao coração – como um poema. E isso tem seu valor. Muito valor. Somos, enfim, acolhedores, calorosos.

Na visão de um estrangeiro, o que temos de bom também se expressa na forma como falamos

Calor que se expressa em “agasalhar”. Embora os falantes de inglês – sobretudo nos Estados Unidos, Canadá e no Reino Unido – vivam em locais mais frios do que portugueses e brasileiros, eles não inventaram um verbo que expresse essa ação. E, cá entre nós, “agasalhar”, apesar de poder ser um gesto voltado a si mesmo, rotineiramente passa a ideia de conforto dado ao próximo. Tanto que, no dicionário, uma de suas definições é abrigar alguém, hospedar.

“Desabafar” é outro verbo sem correlato no inglês. E que implica uma relação de intimidade que parece ser tipicamente brasileira.

Uma proximidade e pessoalidade que se transformam rapidamente em informalidade. “Topa uma cerveja? Topo.” Quem nunca conversou assim com um amigo? Pois é. Gavin diz que nenhum convite desse tipo soa tão informal no inglês como quando usamos nosso “topar”.

“Combinar” – no sentido de acertar algo com alguém, tal como uma cervejinha no fim do dia – também o fascinou. O que há de mais próximo disso no inglês é “plan” (planejar). Muito formal, convenhamos.

Não é preciso ir muito além para concluir o que Gavin, no outro vídeo, diz mais apreciar no país: o calor humano, a intimidade, a hospitalidade. São qualidades destacadas não só por ele, mas por vários estrangeiros que nos visitam.

Mas por vezes nos esquecemos disso. Só enxergamos o que temos de ruim. E ficamos num círculo vicioso, imprecando contra o Brasil e o brasileiro – muito em função da política, naturalmente. “Esse país não tem jeito” talvez seja a frase que melhor defina esse estado de coisas. Isso é tão forte que chamou a atenção do americano em sua estada por essas bandas. Para ele, o que há de pior no país são os brasileiros que reclamam do Brasil. Que dizem não gostar daqui. Que só enxergam problemas.

Mas isso tem jeito. Quem sabe não seja justamente usar o que temos de melhor – o cuidado com o outro – para melhorar o país. Esse é um potencial que temos de “aproveitar” – outro verbo que não tem similar no inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.