i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
José Carlos Fernandes

Estação Olimpo – Caximba

O passatempo de Hermes – aluno preferido da professora Maria Pilato – é perambular pelos terminais de ônibus. De tanto cruzar roletas, criou asas e faz projetos para o transporte público da capital

  • Porjcfernandes@gazetadopovo.com.br
  • 26/11/2009 21:01
 | Foto: Hedeson Silva / Arte: Felipe Lima
| Foto: Foto: Hedeson Silva / Arte: Felipe Lima

Hermes Eduardo Nichele calcula que tinha 3 anos de idade quando descobriu o transporte coletivo. Sua certidão de nascimento deveria ter sido lavrada ali, pois foi a bordo do ônibus que o menino recebeu um helmo alado, à moda do adivinhão Her­­mes, "o deus dos viajantes", seu santo protetor. Depois daque­­le dia, plunct-plact-zum, nunca mais se pareceu aos outros guris.

O Olimpo de Hermes, o curitibano, fica um bocado longe, com sorte hora e meia de condução. Depois de vencer a Linha Verde, pega-se a Estrada Bruno de Almei­­da, no Tatuquara, e cruza-se o Cam­­po de Santana, debaixo de pastos, conjuntos populares e torres da Copel. Uma verdadeira viagem ao Centro da Terra: até reserva indígena tem – a Kakané-Porã.

Quando se está a poucos metros do Rio Iguaçu, já a ponto de plantar uma plaquinha de "fim do mundo", é ali que vive o rapaz. "Fica numa estradinha à direita, ao lado de uma plantação de feijão", como explica ele aos visitantes. O casarão dos Nichele – erguido nos idos de 40, quando o avô de Hermes, Sílvio, voltou da Campanha da Itália – logo se impõe na paisagem de pinheiro e barro de olaria. Curitiba acaba ali.

Naquelas plagas, o bambino dos Nichele cresceu ouvindo histórias de Monte Castelo. "No Na­­tal de 1944, meu nonno almoçava quando uma bomba caiu ao lado dele...", repete, do rosário de causos de guerra que sabe de cor e salteado.

Graças ao pracinha Sílvio, Hermes se tornou o melhor aluno de História da redondeza. Mas foi graças à viagem de ônibus, ainda tão pequerrucho, que iniciou sua própria expedição, não pelos campos da Itália, mas pela cidade que, uma vez, por encanto, viu surgir da janela do busão entre os 20 quilômetros que se­­pa­­ram o sítio da família e a Praça Tiradentes.

No início, resumiu-se ao faz de conta de ser motorista. A mãe Adelaide ouvia da cozinha a voz de taquara imitando a gravação: "Próxima parada: Vila Pompeia." Aos 12, 13 anos, enfim, teve sua primeira vez. O pai Arlei lhe pôs uns trocados no bolso e lá se mandou, somente só, o garotinho até o ponto do Caximba-Olaria. Da Viação Redentor para o mundo.

Hoje, aos 17 anos, contabiliza passeios pelos 75 bairros da capital, os quais descreve como se fosse a granja dos fundos. Os vizinhos já descobriram a mina. Quando "vêm para a cidade", como se diz, recorrem ao sabichão para saber "como é que chega a tal lugar". Sabe, né, passou da Avenida Churchill, dista.

Aconteceu que de tanto pe­­rambular de alegre pelos terminais – chegou a passar por 12 num único dia – Hermes se tornou um busólogo castiço. Numa pasta, guarda mapas de todas as paragens, feitos à mão. Do guia das 8 mil ruas de Curitiba, encapado com plástico e tal, cuida como se fosse o Livro da Vida.

Dia desses, de tanto observar o sufoco dos passageiros enlatados, projetou o Terminal do Tatuquara, com seus devidos alimentadores. Mandou a proposta à Urbs, mas resposta não veio. Deixe estar. Depois de amanhã, Hermes vai prestar vestibular para Arquitetura e Urbanismo na UFPR – o quinto mais concorrido da estação, com 18,57 candidatos por vaga. Uma vez com canudo, há de botar asas nos projetos de sua meninice.

Anote aí: Ligeirões do eixo Norte-Sul; binário da Nicola Pelanda; pista tripla na BR. E nenhum metrô à vista. O garoto é contra. Argumenta feito um douto seus porquês. A gente ouve, basbaque – sentado na grande mesa de colônia, tendo ao fundo, pendurados na parede, os bonés de ir para a roça. Em cima do fogão a lenha, a Virgem de Aparecida. Ônibus, engraçado, quase não se vê por ali. Mas Her­­mes sabe deles como se fossem gente. Coisa dos deuses.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.