i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Educação

Com 18 milhões de alunos, escolas rurais estão em situação precária

Pesquisa inédita revela que faltam bibliotecas, máquina de xerox, telefone, televisão, internet e até banheiros adequados

  • PorMaria Gizele da Silva, da sucursal
  • 17/06/2010 21:04
A escola Pascoalino Provisiero, em Ponta Grossa, tem os mesmos equipamentos dos demais colégios, mas falta ligação à rede de esgoto | José Aldinan / Agência de Notícias Gazeta do Povo
A escola Pascoalino Provisiero, em Ponta Grossa, tem os mesmos equipamentos dos demais colégios, mas falta ligação à rede de esgoto| Foto: José Aldinan / Agência de Notícias Gazeta do Povo

Secretaria discorda de estudo da CNA, mas não mostra números

Das 2.136 escolas da rede estadual do Paraná, 584 são consideradas rurais. O coordenador da Educação do Campo pela Secretaria de Estado da Educação (Seed), Vitor de Mo­­raes, discorda dos números apontados pela CNA e diz que todos os programas ofertados nas escolas urbanas são levados às rurais no Paraná. Ele afirma que o estado se antecipou ao Ministério da Educa­ção (MEC) e criou, em 2003, o departamento de Educação do Campo na secretaria.

Leia a matéria completa

Falta rede de esgoto em 58% dos estabelecimentos de ensino

A 22 quilômetros do centro de Ponta Grossa, nos arredores do Parque Estadual de Vila Velha, o principal ponto turístico dos Campos Gerais, fica a Escola Municipal Pascoalino Provisiero. Ela atende 140 alunos de fazendas e sítios próximos.

Leia a matéria completa

Ponta Grossa - Enquanto um projeto de lei, pronto para ser votado na Câmara dos Deputados, prevê a instalação de banda larga em todas as escolas brasileiras, um grande número de colégios ainda precisa se preocupar com assuntos muito mais básicos que a velocidade de sua conexão à internet – como um banheiro decente. Uma pesquisa inédita da Con­­fe­­deração Nacional da Agricultura (CNA), feita pelo Ibope, mostra que as escolas rurais brasileiras estão esquecidas e ainda têm como ferramentas básicas de ensino o mimeógrafo e o quadro negro.

Cerca de 18,6 milhões de crianças e adolescentes estudam na zona rural no país, sendo 942,6 mil no Paraná, segundo dados do Censo Escolar de 2009 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao Ministério da Educação (MEC). Muitos destes alunos frequentam escolas deficientes. A pesquisa da CNA revela que 70% dos prédios não têm biblioteca; 76% das escolas ainda usam o mimeógrafo; 74% não têm máquina de xerox; 58% não têm rede de esgoto; apenas 32% têm banheiros adequados; 82% não têm telefone e 56% não têm televisão. Enquanto o Congresso discute a banda larga, 66% das escolas rurais não possuem computador e 92% não têm internet. Os professores são mal remunerados: 66% recebem no máximo dois salários mínimos. Os alunos têm pais pouco instruídos: 32% nunca estudaram ou chegaram apenas a concluir a 4.ª série.

O secretário-executivo do Instituto CNA, Marcelo Garcia, diz que, apesar de a Região Sul do Brasil estar mais bem equipada na área da educação, quando o assunto é escola rural os estabelecimentos se igualam à realidade das escolas do interior nordestino. "As escolas rurais do Paraná aparecem com a mesma infraestrutura das escolas do sertão baiano", comenta. Ele afirma que o propósito da pesquisa é criar debate sobre o assunto. "As escolas rurais são muito diferentes das escolas da cidade. Muitas estão mal equipadas e não têm presença no século 21", comenta.

Transporte escolar

As estatísticas não surpreendem o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Carlos Eduardo Sanchez. "Já era um resultado esperado", aponta. Segundo levantamento da entidade, 90,4% das matrículas da educação do campo no ensino fundamental (1.ª a 8.ª séries) são de escolas municipais. Para Sanchez, as prefeituras concentram os recursos da educação no transporte escolar e deixam de investir nas escolas. "As escolas do campo estão em situação desfavorável. É preciso melhorar os insumos", comenta.

A defasagem tem explicação histórica. Nos anos 90, muitas escolas foram fechadas e os governos investiram em transporte escolar para levar os alunos até a cidade. Na última década, a educação do campo voltou a ganhar atenção dos governos com a criação de departamentos de educação rural e construção de escolas nas localidades rurais, mas muita coisa ainda precisa ser feita.

Recursos

Uma das propostas da Conferência Nacional de Educação, encerrada em abril em Brasília, é a de criar o índice Custo Aluno Qualidade (Caqi), ou seja, determinar qual o gasto necessário por aluno para garantir educação de qualidade a todos os estudantes. Atualmente, a conta é feita ao contrário: divide-se o total de recursos disponíveis pelo número de alunos para determinar quanto os estados e municípios receberão. De acordo com Sanchez, se fosse destinado 1% do Produto Interno Bruto para a educação, seriam injetados R$ 31 bilhões por ano no se­­tor. "É muito pouco dinheiro diante do grande benefício que geraria", diz.

Para a pedagoga da Uni­ver­si­dade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) Neide Keiko Kravchwchwn Cappelletti, não adianta apenas retomar os investimentos em infraestrutura, mas manter cursos de formação continuada para os professores e incentivar os pais a acompanhar a vida escolar dos filhos. "De nada adianta uma boa ferramenta pedagógica se o professor não sabe utilizá-la", completa. A regra vale tanto para os materiais básicos, como televisão e mapas, quanto para computadores. "Não adianta deixar os mapas enrolados num canto da sala como também não adianta ter computador desligado na escola", comenta.

* * * * *

Interatividade

A falta de investimentos nas escolas rurais do Paraná atrasa o desenvolvimento do interior do estado?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.brAs cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.