i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Em votação

Conheça os argumentos pró-vida no julgamento do STF sobre aborto em casos de zika vírus

  • 24/04/2020 14:40
Fachada do STF, em Brasília: decisões cruciais para o governo federal. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Fachada do STF, em Brasília| Foto:

Proposta pela Associação Nacional de Defensores Públicos (Anadep), a ação (ADI 5581) que pede a liberação do aborto em casos de zika vírus está sendo votada nesta sexta-feira (24), por meio virtual, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O texto, relatado pela ministra Carmem Lúcia, já foi retirado de pauta duas vezes no ano passado após mobilização de movimentos pró-vida. A relatora e mais três ministros já votaram contra a permissão do aborto nesse caso. Agora são necessários mais dois votos para formar maioria na Corte e derrubar a ADI.

Para ampliar a discussão sobre o tema como nas outras tentativas de votação, o STF ouviu alguns especialistas da área. A Associação Nacional Pró-vida e Pró-família foi a primeira a fazer uma sustentação oral nesta manhã. O advogado Paulo Fernando Melo, que representa a entidade, disse que luta pela rejeição do aborto em casos de infecção por zika vírus e que o "ativismo judicial do Supremo" é dispensável, já que o Parlamento está preocupado com esse assunto.

"Tramita um projeto de lei (1787/19) dos deputados Diego Garcia e João Campos que amplia os direitos às mães, pais e crianças vítimas da anencefalia e sequelas neurológicas em decorrência e transmitidas pelo Aedes aegypti, demonstrando de maneira inequívoca que não precisamos do ativismo judicial do Supremo, que já o fez no passado quando aprovou abortos anencéfalos", apontou Melo.

Além disso, o advogado explica que a Constituição também assevera a proteção à infância e à maternidade em seu artigo 6.º. Melo ainda comparou os direitos de uma mãe com coronavírus e outra com zika vírus. "Será que isso vale apenas para as mães com coronavírus, mas não vale para a criança com zika vírus?", questionou ao lembrar que durante a pandemia do Covid-19 os esforços para a preservação da vida são mais expressivos.

Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro, editou em boa hora a Medida Provisória 984, convertida na Lei 39.85/20, que destina pensão as crianças com zika vírus. "Esta lei assegura uma pensão especial mensal, vitalícia e intransferível no valor de um salário mínimo", enfatizou durante o pronunciamento.

Para a associação pró-vida, uma criança com zika vírus tem o mesmo direito do que qualquer outra pessoa. No Brasil, o aborto é crime, exceto em três situações: quando há risco de morte para a gravida, em casos de estupro e ainda nas situações de bebês anencéfalos. De acordo com a entidade, a autorização em mais esse caso será "uma porta escancarada para a aprovação de abortos em outros casos".

Durante o discurso, Melo ainda destacou que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) pronunciou-se em defesa da vida, da dignidade da vida humana desde a concepção até morte natural, "condenando toda e quaisquer iniciativas que pretendam legalizar o aborto no Brasil".

O advogado também ressaltou o estudo realizado pelo doutor em saúde pública, Rafael Medeiros, que mostra que os conhecimentos sobre o zika em 2016 eram incipientes. "Em quatro anos muita coisa mudou, razão pela qual o pedido da Anadep agora não faz sentido, porque os estudos recentes mostram que as taxas de acometimento de crianças com zika vírus varia de 5 a 14%", afirmou.

"De lá pra cá os resultados dos exames são completamente descartáveis pela baixa sensibilidade e especificidade por ter uma relação cruzada com outros vírus como o da dengue e até mesmo com quem se vacinou para a febre amarela", disse.

Confira a sustentação oral do advogado Paulo Fernando Melo:

Por essas e outras razões, a entidade pediu a rejeição da ADI 5581. "Todas as vezes que querem legalizar o aborto, o número de abortos aumentam e não diminuem. Ontem o aborto por anencefalia, hoje por zika vírus e amanhã o aborto livre até 12 semanas como quer o pessoal e, daqui a pouco, os novos 'herodes' quererão o aborto livre até nove meses de gestação" , alertou Melo.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    Luciana Merley

    ± 0 minutos

    Obrigada pela matéria. Quase não vimos isso na mídia. A tentativa de eugenia via aborto para mais um caso além da Anencefalia. Nenhuma situação, por mais trágica e difícil que seja, elimina a realidade da vida intrauterina. Aborto não.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Drummond de Macedo

    ± 22 horas

    E existem?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Miguel

      ± 21 horas

      vc não sabe ler? ou não quer ler pra não saber? tipo aquela criança que tapa os ouvidos e sai cantando lálálálálálá, não tô ouvindo nada.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.