i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Construções recebem aditivos altos

  • 06/07/2015 22:00

De acordo com o relatório do TC, Edmundo Rodrigues da Veiga Neto, como diretor-geral da Seed, firmou o primeiro termo aditivo ao contrato para construção do Colégio Estadual Jardim Paulista. Com o aditivo, a obra que custaria inicialmente cerca de R$ 4,2 milhões recebeu um acréscimo de mais de R$ 1 milhão. Para justificar o aditivo, foi alegada uma incompatibilidade entre a “fundação existente no projeto” e o “tipo de solo existente”. Em maio deste ano, quase um ano após a assinatura do contrato, os inspetores do TC foram até o local e encontraram apenas 10% da obra executada. Pelo contrato, a empresa tinha 300 dias para executar o serviço.

“Todo aditivo tem de ser assinado pelo secretário estadual ou, por delegação, pelo diretor-geral. A liberação do pagamento do aditivo estava baseada na regularidade dos documentos”, reforçou Veiga Neto. Além de assinar o aditivo, o atual diretor-geral, segundo os inspetores, também autorizou o pagamento de 17 notas fiscais relativas aos dois contratos, num valor total de R$ 3,2 milhões.

TC responsabiliza 14 pessoas por obras inacabadas de R$ 9 milhões

Leia a matéria completa

Já Jorge Eduardo Wekerlin, ex-diretor geral da Seed, autorizou a emissão de empenhos para pagamento de duas notas fiscais, uma de cada contrato, totalizando quase R$ 332 mil.

Na lista do TC também estão dois servidores que estavam em postos de chefia na Seed e foram exonerados no início de junho – Maurício Jandoi Fanini Antonio (ex-diretor de Engenharia, Projetos e Orçamentos) e Jaime Sunye Neto (ex-superintendente da Sude); dois fiscais de obras demitidos também em junho; três professores efetivos com a missão de acompanhar os serviços prestados pela empresa; o secretário da Educação entre abril e dezembro de 2014, Paulo Afonso Schmidt; e quatro pessoas ligadas à empresa Valor Construtora e Serviços Ambientais.

O ex-secretário da Educação Paulo Afonso Schmidt ocupa hoje um cargo comissionado como assessor especial da governadoria. À frente da Seed, ele autorizou o pagamento de 17 notas fiscais relativas aos dois contratos. Juntas, as notas fiscais somam mais de R$ 3,2 milhões. A assessoria de imprensa do governo estadual informou que Schmidt está de férias. O telefone celular dele estava desligado.

Procurada, a advogada da Valor Construtora e Serviços Ambientais, Úrsulla Ramos, informou que a empresa ainda não foi comunicada pelo Tribunal de Contas do Paraná sobre o relatório da inspetoria e nem pela Seed sobre a auditoria em curso, o que a impede de fazer qualquer manifestação à imprensa a respeito. (CS)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.