i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comportamento

Contato com “branco” salvou índios albinos de infanticídio no Paraná

Especialistas dizem que prática de matar os “bebês diferentes” foi abandonada e permitiu a sobrevivência dos índios de pele alva

  • PorKatia Brembatti
  • Cândido de Abreu
  • 22/08/2015 16:00
Ao lado do avô, da mãe e da vizinha Thayala, os três irmãos albinos da aldeia Faxinal, em Cândido de Abreu: Barreirito, Geane e Camilo. | Fotos: Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Ao lado do avô, da mãe e da vizinha Thayala, os três irmãos albinos da aldeia Faxinal, em Cândido de Abreu: Barreirito, Geane e Camilo.| Foto: Fotos: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Quem passa pela BR-487 pode estranhar um índio branco que vende artesanato na beira do asfalto, a 12 quilômetros de Cândido de Abreu, na região Central do Paraná. É Barrerito – nome que lembra a cor característica da pele dos indígenas –, um dos cinco albinos entre os 701 moradores da aldeia caingangue Faxinal. Essa mutação genética marcante fica ainda mais evidente em uma população fisicamente tão parecida. Edívio Batistelli, principal indigenista paranaense, estima que há cerca de 50 índios albinos no estado. Ele e o biólogo Hugo Alves, que pesquisou a incidência de casos entre indígenas, acreditam que os albinos não foram mortos pelos pais porque a aproximação com a “cultura branca”, para além de todos os danos que causaram aos índios, ajudou a extirpar a prática do infanticídio nas aldeias (veja texto explicativo nesta página).

Barrerito, de 18 anos, é irmão dos também albinos Geane e Camilo, de 4 e 11 anos, respectivamente. A mãe Maria Geni tem outros dois filhos e diz não ter estranhado quando os bebês nasceram completamente brancos.

Por não conhecer o processo genético que causa o albinismo, os índios buscam explicações na natureza. O cacique José Notanh, de 39 anos, conta que os moradores da aldeia acreditam que os filhos nascem alvos quando a mulher toma um determinado “remédio do mato”. Ele comenta que a primeira vez que ouviu falar em índio branco foi sobre uma menina da aldeia de Manoel Ribas, distante 40 quilômetros. Ela seria aparentada de alguns albinos de Faxinal.

Na aldeia Araçaí, em Piraquara, os irmãos morenos Yagu e Aragana, e os abinos Thayná e Altieres.

Os albinos não têm tratamento diferenciado na comunidade. Não são tratados melhor nem pior: são iguais aos outros, apesar das diferenças físicas. “Ninguém estranha”, diz o cacique, reforçando que os índios nem tentaram saber a explicação para o nascimento de albinos. O único cuidado que tomam é não se expor ao sol na mesma medida que os demais moradores da aldeia. “Ou a pele racha”, conta o cacique. Eles raramente usam protetor solar.

Assim, os albinos acabam não trabalhando em algumas atividades, como a lavoura. Eles também têm dificuldades para enxergar – não se sabe ao certo quanto a visão está comprometida. Mas os olhos tremem e as pálpebras ficam quase fechadas a maior parte do tempo, principalmente na claridade.

Vinícius Clemente, de 24 anos, tem dificuldade para abrir os olhos. Mas diz não evitar o sol. Ele tem um irmão albino, Clemente, e outros cinco morenos.

“[Ser albino] nunca me atrapalhou. Nunca me explicaram porque sou assim, nem quis saber”, conta, em português arrastado – ele é professor de caingangue.

Na aldeia Araçaí, também conhecida como Karuguá, em Piraquara, a 340 quilômetros da Faxinal, outros três índios brancos se destacam entre os 100 moradores. Uma é Jocelina, com 30 anos. Os pais dela são primos. E morenos. E ela teve dois filhos, com pele e cabelos escuros. Os outros dois albinos são os irmãos Thayná e Altieres, que têm dois irmãos de pele bronzeada de sol.

Assim como em Piraquara, em muitas outras comunidades indígenas os casamentos entre aparentados resultaram em nascimentos de albinos.

Filhos da Lua

Há registros de índios albinos em várias tribos brasileiras, como no Acre, no Mato Grosso e em São Paulo. Contudo, há uma década acreditava-se que eram poucos os casos. Um estudo feito por técnicos da Embrapa em 2005 indicava a existência de apenas dois índios brancos. Um havia sido relatado numa reportagem da revista IstoÉ de 1996, que conta a história de um bebê índio que foi abandonado pelos pais. Provavelmente o fim do infanticídio em algumas aldeias permitiu a sobrevivência e, com isso, o aumento no número de casos. A favor dos albinos também conta o fato de que no Brasil eles não são tratados como seres exóticos. No Panamá, os índios brancos são chamados de filhos da Lua, como se fossem presentes de alguma divindade. Mas na África, principalmente, eles são considerados bruxos e mortos. Outras comunidades perseguem e mutilam os albinos. Também são sequestrados e vendidos como bibelôs.

Projeto de lei

No mês passado, a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Albinismo. A proposta pretende assegurar aos albinos acesso a atendimento dermatológico (incluindo protetor solar e medicamentos essenciais), a tratamento não farmacológico e a terapias para tratar lesões na pele e atendimento oftalmológico. Para virar lei, o projeto ainda precisa ser aprovado em plenário e ser sancionado.

  • Geane e Thayala, índias da etnia caingangue da aldeia de Faxinal, em Candido de Abreu.
  • Alguns índios guaranis da aldeia Araçaí, em Piraquara, nasceram com albinismo. Na foto, Thayna com o irmão Altieres.
  • Os irmãos Yagu, Aragana, Thayna e o caçula Altieres. Thayna e Altieres nasceram com albinismo ; seus outros dois irmãos não possuem o gene.
  • Na foto, o índio albino Camilo
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.