i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
rmc

Corpo de adolescente assassinada em Colombo é encontrado

Quatro suspeitos foram detidos, mas apenas três confessaram ter estuprado e estrangulado a jovem de 14 anos. Moradores da região se revoltaram e atearam fogo em parque de diversões onde suspeitos trabalhavam

  • PorAntonio Senkovski e Rafael Neves, especial para a Gazeta do Povo
  • 28/06/2013 12:59
Parque de diversões onde os suspeitos trabalhavam foi depredado durante manifestação na quinta-feira (27) | Aniele Nascimento/Agência de Notícias Gazeta do Povo
Parque de diversões onde os suspeitos trabalhavam foi depredado durante manifestação na quinta-feira (27)| Foto: Aniele Nascimento/Agência de Notícias Gazeta do Povo

Suspeito teria assassinado mulher no Litoral

Um dos acusados da morte de Tayná, Sérgio Amorin da Silva Filho, confessou também ter cometido um assassinato no ano passado. O rapaz de 22 anos assumiu a culpa pela morte de Vânia Rodrigues França, de 29 anos, que foi assassinada em abril de 2012 no balneário Eliane, em Guaratuba.

Vânia havia desaparecido no dia 10 daquele mês e seu corpo foi encontrado três dias depois. Na ocasião, a polícia prendeu José Carlos Alegre, de 49 anos, que era namorado da vítima. No entanto, Sérgio Amorin da Silva declarou, segundo a polícia, ter violentado e assassinado Vânia.

  • Tayná sumiu na terça-feira (25) nas proximidades de um parque de diversões em Colombo
  • Local ficou destruído pela fúria dos moradores
  • Irmã da vítima acompanhou a investigação policial nesta manhã de sexta-feira (28)
  • Suspeito é colocado de novo no carro de polícia para voltar à Delegacia do Alto Maracanã
  • Policiais escoltam o suspeito que foi levado à região do parque de diversões para apontar o local onde a adolescente foi estuprada e estrangulada

O corpo da menina Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, que estava desaparecida desde terça-feira (25), em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, foi encontrado no início da tarde desta sexta-feira (28). A informação foi confirmada pelo delegado Silvan Pereira, titular da delegacia de Alto Maracanã, em Colombo, que investiga o caso.

Quatro suspeitos de cometer o crime foram presos. Adriano Batista, 23 anos, Paulo Henrique Camargo Cunha, 25, Sérgio Amorin da Silva Filho, 22, e Ezequiel Batista, 22. De acordo com o delegado, três deles confessaram nesta sexta-feira o homicídio. Ezequiel, no entanto, nega a autoria, e os demais detidos confirmam a inocência do rapaz. Segundo os depoimentos dos suspeitos, ele chegou a abordar Tayná, mas se arrependeu e não participou do crime. Na tarde desta sexta-feira (28), os quatro foram transferidos para outras unidades penitenciárias do Paraná, mas os locais estão sob sigilo.

Veja mais fotos da investigação policial em Colombo

Segundo a Polícia Civil, um senhor teria encontrado o corpo da jovem, que estava jogado dentro de uma vala alagada em um terreno que fica em frente a um parque de diversões onde os suspeitos trabalhavam. O parque de diversões, que foi depredado por manifestantes revoltados com o crime, fica na Rua Presidente Faria, bairro Colônia Faria.

O crime

Os suspeitos capturaram Tayná na noite de terça-feira (25) e a levaram para um matagal nos fundos do parque. No local, eles teriam estuprado a jovem. Em seguida, eles a levaram para um terreno em frente ao parque. Ali, a menina teria sido morta por estrangulamento.

De acordo com o delegado, os autores abandonaram o corpo da vítima no local e só no dia seguinte resolveram voltar para dar fim aos restos mortais dela. Eles teriam ainda feito sexo com o cadáver (necrofilia) antes de jogar o corpo da vítima em uma vala. Os suspeitos teriam ainda vestido o corpo de Tayná novamente antes de descartá-lo.

Buscas

Pela manhã, vários policiais e moradores estiveram no terreno onde o corpo foi localizado para ajudar nas buscas. Um dos detidos foi levado por policiais ao matagal próximo ao parque, para que apontasse onde foi cometido o estupro, mas ele disse que não lembrava porque estava muito escuro na hora do crime. O homem foi rapidamente colocado na viatura, pois moradores da região ameaçavam linchá-lo.

Protesto

Depois que policiais estiveram no parque de diversões fazendo as primeiras buscas ao corpo, ainda na quinta (27), moradores da região se revoltaram e começaram um protesto. Cerca de 200 pessoas foram ao local, por volta das 19 horas do mesmo dia, e atearam fogo em um caminhão e outros objetos do estabelecimento.

De acordo com a Polícia Militar (PM), equipes da tropa de choque foram ao local para ajudar na dispersão do protesto. Não foram registrados feridos na manifestação que deixou parte do parque destruído.

Desaparecimento

Tayná sumiu na noite da última terça-feira (25), quando voltava para casa, nas proximidades de um parque de diversões. Ela saiu da residência de uma amiga por volta de 20h30 e mandou uma mensagem de texto via telefone celular à mãe, Cleuza da Silva, dizendo que estava voltando para casa.

Depois que a menina não chegou em casa, a mãe passou a buscar imagens de câmeras de segurança de estabelecimentos das redondezas. Entre a residência da amiga e o ponto de ônibus no qual ela pegaria a condução, há apenas o parque onde foram presos os suspeitos.

Banco de dados

De acordo com informações da Polícia Civil, o material genético dos suspeitos da morte de Tayná vai ser recolhido para integrar um banco de dados que vai ajudar a identificar suspeitos de casos de abuso sexual.

Polícia investiga o crime bárbaro

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.