i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
emigração

Cresce “fuga” de brasileiros qualificados para o exterior

Em 5 anos, número de Declarações de Saída Definitiva do país entregues à Receita subiu 67%. Neste ano, Canadá veio ao Brasil em busca de pessoas fluentes em francês

    • rio de janeiro
    • Agência O Globo
    • 28/07/2015 22:00
    Vista de Montreal, na província de Québec, que busca profissionais qualificados no Brasil | Província de Québec/Divulgação
    Vista de Montreal, na província de Québec, que busca profissionais qualificados no Brasil| Foto: Província de Québec/Divulgação

    Entre os dias 2 e 26 de março, representantes da província canadense de Québec fizeram uma turnê pelo Brasil para divulgar oportunidades de trabalho em carreiras muito específicas e recrutar mão de obra fluente em francês. Visitaram sete cidades do Nordeste, Sudeste e Sul e se surpreenderam com a reação: em apenas uma semana 140 mil brasileiros visitaram o site do órgão de migração de Québec, mostrando interesse em se mudar para lá.

    Família se muda para os Estados Unidos atrás de qualidade de vida

    O carioca Thiago Fonseca optou pela Filadélfia, nos Estados Unidos. Em maio, mudou-se para lá com a mulher, Juliana, e a filha, Maria Luisa. A família morava em casa própria, no Rio, e o casal estava empregado quando tomou a decisão.

    “Quero dar melhor qualidade de vida e proporcionar uma experiência diferente para minha família. Com a recessão no Brasil e o crescimento americano, foi mais fácil justificar junto à empresa minha transferência para os EUA”, diz Thiago.

    A família ainda arruma a casa nova, mas já se surpreende com a quantidade de pessoas que dizem estar pensando seriamente em segui-los.

    “Pelo menos dez me consultaram sobre como fazer o processo”, destaca o carioca.

    As três famílias lembram, no entanto, que emigrar não é fácil. Silvia e Wellington aconselham “mente aberta” e calma. Flávia e Márcio lembram que trabalhar numa língua que não é a nativa é “cansativo”. Thiago fala de uma nova realidade para fugir da crise: fazer todas as tarefas domésticas e ficar longe de família e amigos.

    Brasil tenta mudar a arcaica lei de migração

    Leia a matéria completa

    Números obtidos pelo Globo junto à Receita Federal confirmam que a emigração qualificada está em alta. Entre 2011 e 2015, o número de Declarações de Saída Definitiva do país (documento apresentado ao Fisco por quem emigra de vez) subiu 67%. Em 2011, a Receita recebeu 7.956 declarações, 21 para cada dia do ano. Este ano, foram 13.288, numa média diária de 36.

    “Esse número é apenas uma amostra da realidade da emigração”, diz Joaquim Adir, supervisor nacional de imposto de renda da Receita. “Mas já reflete a saída de uma elite financeira e cultural, de pessoas que se preocupam em ficar quites com a Receita e que têm conhecimento da importância disso. Não entram aí os brasileiros que não têm bens ou rendimentos, como crianças e jovens, nem os que querem sair de forma ilegal. A emigração está em alta.”

    Os engenheiros José Wellington e Silvia Oliveira chegaram a Toronto, no Canadá, em abril. Levavam Julia, de 7 anos, e Nicolas, de 3. Em Belo Horizonte, a família tinha casa própria. Wellington trabalhava na área de mineração, e Silvia, na firma de avaliação de imóveis do pai. Nos últimos meses de 2013, a empresa de Wellington deu um alerta: diante da crise incipiente, não teria como manter toda a equipe a partir de agosto de 2014.

    “Foi a gota d’água”, diz Silvia. “Estávamos cansados da corrupção, da violência, do espírito do cada-um-por-si. Então nos inscrevemos no programa canadense e passamos por um processo trabalhoso. Não digo que foi difícil. Só burocrático.”

    Desde que trocou “o calor pelo frio”, a família virou fonte de informação e observa uma espécie de efeito dominó ao seu redor. “Uma vez por semana alguém entra em contato conosco para perguntar como fizemos para migrar para o Canadá”, conta Sílvia. “Se o número da Receita está alto em 2015, espere em 2016.”

    A Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (DAPP/FGV) está de olho nas causas e efeitos da migração no Brasil. Um grupo de pesquisadores lança nos próximos meses um estudo que defende a criação de uma entidade migratória nos moldes do que existe no Canadá, na Austrália e na Alemanha.

    “Esses países traçam o perfil do trabalhador que precisam e selecionam os imigrantes que interessam. O Brasil não tem política alguma”, diz a pesquisadora Bárbara Barbosa. “Está perdendo na briga por mão de obra qualificada e, em consequência, na corrida pelo desenvolvimento.”

    “Hoje estão envolvidos na questão da migração o Ministério da Justiça, das Relações Exteriores, do Trabalho e a Polícia Federal”, completa a também pesquisadora Margareth Da Luz. “Não há uma coordenação, e nós estamos perdendo cérebros, o que é preocupante. Ainda mais num momento de envelhecimento da população.”

    Casal busca Austrália para escapar da crise

    Em abril, a carioca Flávia Peres Sabagh e o marido, o paulista Márcio Ghiraldelli, ambos de 36 anos, trocaram São Paulo por Sydney, na Austrália. Estavam empregados quando tomaram a decisão de entrar no LinkedIn e disparar currículos. Ela era coordenadora de CRM em um banco. Ele, especialista em sistemas. Em poucos dias, Márcio recebeu uma proposta. “A empresa que o contratou patrocinou o visto de trabalhador experiente e deu entrada no processo”, conta Flávia. “Só tivemos que enviar alguns documentos, fazer um exame de tórax e esperar algumas semanas.” Flávia trabalha hoje como analista de data marketing numa revista, e Márcio é engenheiro de qualidade de software. A mudança dos dois tem relação não só com “a possibilidade de criar um filho num país de primeiro mundo e língua inglesa”, mas também com a crise instalada no Brasil. “Estávamos muito preocupados com a desvalorização do real e a dificuldade das empresas em conseguir crédito.”

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.