i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Críticas ao Mais Médicos expõe "ótica egocêntrica", afirma AGU

O programa, lançado no mês passado pela presidente Dilma Rousseff, quer aumentar a presença de médicos em áreas hoje carentes desses profissionais

  • PorFolhapress
  • 06/08/2013 10:22

Em documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a representação jurídica do governo federal criticou o comportamento de entidades médicas, que têm se manifestado contra o programa Mais Médicos.

Encaminhado pela Advocacia Geral da União (AGU) e elaborado por advogados do órgão, o texto afirma que o programa Mais Médicos tem o objetivo de "abrir o diálogo entre as diversas comunidades médicas [nacionais e internacionais], sem o viés autoritário de uma classe hermética, fechada, que busca, à custa de toda uma população, impor sua verdade, sua ótica egocêntrica".

O programa, lançado no mês passado pela presidente Dilma Rousseff, quer aumentar a presença de médicos em áreas hoje carentes desses profissionais. Para isso, há a possibilidade de ingresso de médicos estrangeiros sem revalidação de diploma, para atuar em locais específicos, por prazo determinado.

O posicionamento do governo foi pedido pela Corte diante de mandado de segurança apresentado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) para a suspensão das medidas previstas na medida provisória que criou o Mais Médicos.

O congressista argumentou que não foi correta a forma usada pelo governo para tratar do assunto, que embora "inequivocamente relevante", "não carece de sua urgência para entrar em vigor".

Em documento de 60 páginas, a posição do governo argumenta que faltam médicos no país e refuta a ideia de que os profissionais que aderirem ao programa serão de menor qualidade.

Ao mesmo tempo, defende o ingresso de médicos estrangeiros sem a revalidação de diploma. Caso isso seja feito, pondera, o profissional poderia atuar em qualquer parte do país e não atenderia o princípio do programa, de fortalecer a presença de médicos em municípios e regiões específicas.

Política afirmativa

O governo destaca ainda que o programa dará bolsa para os participantes (no valor de R$ 10 mil), além de oferta de cursos de especialização e pondera que o Mais médicos é uma "autêntica política pública afirmativa".

"A implantação do Projeto Mais Médicos para o Brasil visa possibilitar a seleção de médicos interessados em participar de ações de aperfeiçoamento em atenção básica, em regiões prioritárias para o SUS, em caráter emergencial, como autêntica política pública afirmativa, visando atenuar um grave problema social e de mercado envolvendo cursos de medicina e a demanda por médicos", afirma o texto.

O documento inclui, ainda a defesa do segundo ciclo da graduação de medicina, proposto na medida provisória. A ideia era que, além dos seis anos de curso, o estudante teria ainda dois anos adicionais de formação, focados na atuação no Sistema Único de Saúde (SUS).

Esse ponto, entretanto, já foi alterado: após críticas de entidades médicas, o governo recuou da proposta e passou a sugerir residência obrigatória, com o primeiro ano na rede pública, logo após a conclusão da graduação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.