i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ponta Grossa

Cumprimento de reintegração de posse de fazenda de Copetti Neves depende da Sesp

Sem reforço policial, determinação judicial ainda não tem previsão de ser cumprida e MST permanece em fazenda de Waldir Copetti Neves

  • PorFelippe Aníbal, com informações de Maria Gisele da Silva
  • 11/02/2010 16:10

O cumprimento de um mandado de reintegração de posse – que determina que os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) desocupem uma propriedade situada em Ponta Grossa, nos Campos Gerais – ainda não tem previsão para ser cumprido. Para que a determinação saia do papel será necessária a atuação de reforço policial, que precisa ser liberado pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp). Com a decisão, a fazenda São Francisco II voltará à posse do tenente-coronel da reserva da Polícia Militar, Waldir Copetti Neves.

Com o objetivo de cumprir a reintegração de posse, um oficial de Justiça solicitou, nesta quinta-feira (11), cobertura policial ao comando da Polícia Militar (PM). Em ofício, a corporação argumentou que o fornecimento de reforço só poderia ser determinado com liberação da Sesp. A Secretaria informou que ainda não foi notificada da decisão.

Enquanto isso, militantes do MST permanecem acampados na área, em cerca de 14 barracas. A 150 metros, Copetti Neves e fazendeiros ligados à União Democrática Ruralista (UDR) também armaram uma tenda, onde permanecem vigiando a ação dos sem-terra. A PM mantém uma viatura 24 por dias no local, para manter a segurança.

Na quarta-feira (10), a advogada e filha de Copetti Neves lembrou que nas outras três vezes que a São Francisco II foi ocupada pelo MST, a reintegração de posse só foi cumprida depois que a família pediu a prisão do secretário de Segurança Pública, por não estar cumprindo a determinação judicial.

Apesar da expedição do mandado de reintegração de posse, o MST não manifestou a intenção de deixar a área. O movimento alega que a área pertence à Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa), que por sua vez reivindica a propriedade da terra e que diz ter planos para sua exploração. Copetti Neves garante que teria adquirido a Fazenda São Francisco II em 1999 e que tem os documentos que comprovam a posse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.