i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Escolinha de governo

Denúncia de Requião sobre venda da Amazônia vira mais uma gafe

  • PorKarlos Kohlbach - Gazeta do Povo Online, com informações de Caio Castro Lima - Gazeta do Povo
  • 06/11/2007 17:16
Guilhermina Guinle no papel da socialite Alice, em "Paraíso Tropical" | Reprodução www.globo.com/paraisotropical
Guilhermina Guinle no papel da socialite Alice, em "Paraíso Tropical"| Foto: Reprodução www.globo.com/paraisotropical

O governador Roberto Requião (PMDB) caiu numa "pegadinha" durante a Escola de Governo desta terça-feira (6). Requião iniciou a reunião com os secretários de governo exibindo um vídeo (veja no quadro ao lado) com uma suposta propaganda da empresa multinacional Arkhos Biotech propondo a compra de terras na Amazônia. Depois do vídeo, o governador disse à platéia que o vídeo está sendo apresentado pela "Rede Globo no México" e fez duras críticas ao "comercial".

O que Requião não sabia é que a propaganda não é real. Trata-se de um jogo que mistura entretenimento e marketing lançado por uma marca de refrigerante, a Guaraná Antártica. Na propaganda fictícia, um locutor, mesclando imagens da floresta, afirma que a única forma de preservar a mata é privatizando-a, uma vez que ela seria patrimônio de todo o mundo, e não somente do Brasil.

Este tipo de ferramenta publicitária, chamada de "Alternate Reality Games" (args), está sendo muito usada em campanhas por grandes companhias em todo o mundo.

Se não bastasse a gafe, Requião foi além. Determinou que a Televisão Paraná Educativa entrevistasse ambientalistas para comentar o assunto. Ele ainda sugeriu que a televisão estatal veiculasse o comercial de "venda da Amazônia" juntamente com os comentários dos ecologistas.

Outras gafes

A mesma gafe foi cometida pelo senador Arthur Virgílio, do PSDB do Amazonas, há sete meses. Virgílio subiu na tribuna do Senado para "denunciar" a tentativa de "privatizar a Amazônia". O tucano, à época, chegou a propor um convite à empresa fictícia - Arkhos Biotech - para uma reunião na Subcomissão da Amazônia no Senado.

Além desta, Requião coleciona outra gafe. Em fevereiro de 2006, o governador do Paraná esteve em Brasília para uma audiência com o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Após o encontro, Lula e Requião posaram para fotos. Num determinado momento, o presidente mostrou à Requião sementes de mamona. O governador então pegou e as colocou na boca. "Isso é mamona, pô", alertou Lula. "É bom", respondeu o governador. "Você sabe que isso tem uma toxina que não pode comer?", retrucou o presidente. Imediatamente Requião cuspiu a mamona.(Veja o vídeo no youtube)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.