i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carga

Depósito ainda tinha muitos grãos

  • Por
  • 06/11/2007 20:04

O silo da Companhia Brasileira de Logística (CBL) desabou ontem quando estava sendo finalizada a transferência das 14,6 mil toneladas de milho para um navio no porto. Faltavam 2,5 mil toneladas de grãos para o esvaziamento completo da construção. Os engenheiros esperavam que a retirada da carga aliviasse a tensão no interior do silo e contribuísse para a estabilização da construção.

Um funcionário da CBL disse que estirantes de aço que estavam presos ao silo começaram a se soltar e em segundos a construção, que estava com uma inclinação vertical acentuada, veio ao chão. Os escombros se espalharam pela Avenida Portuária e pedaços de telhas de zinco foram lançadas até o interior do setor de pesagem do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). O movimento de caminhões no local estava liberado parcialmente. Por sorte, nenhum veículo passava na área durante o desmoronamento.

Até o início da noite de ontem, não havia sido expedido nenhum laudo técnico para apontar a causa do desmoronamento. Segundo a assessoria da CBL, um engenheiro da construtora Vasconcelos e um engenheiro da seguradora da empresa devem vistoriar o local hoje. Ontem, a perícia da Polícia Civil esteve no local, mas informou, segundo o major Barros, que não iria elaborar um laudo, pois não houve vítimas e a área era propriedade particular. A construtora Vasconcelos não retornou aos telefonemas da reportagem.

Na tarde de sábado, o engenheiro João Amilton Mendes, professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), – contratado como perito pela CBL – descartou que tenha ocorrido afundamento do terreno. Segundo ele, as rachaduras teriam sido causadas pela qualidade do concreto utilizado. Membros da Defesa Civil disseram ontem que o concreto dos escombros "estava esfarelando nas mãos". (CO)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.