i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
imigração

Desemprego reduz fluxo de migrantes para região de Curitiba

Não há números absolutos, mas a percepção de quem atua no acolhimento é de que o movimento diminuiu nos últimos seis meses, por causa da dificuldade em conseguir trabalho

  • PorFelippe Aníbal
  • 14/06/2015 22:00

Quatro jovens haitianos aguardavam atendimento no salão da Pastoral do Migrante, em Curitiba, na última quinta-feira. Todos estavam desempregados. O caso mais drástico era o de Jean Claude Avreius, de 31 anos, que estava no Brasil havia nove meses, sem nunca ter conseguido uma vaga. Não há números absolutos, mas a percepção de quem atua no acolhimento de migrantes é de que o fluxo à região de Curitiba diminuiu nos últimos seis meses, principalmente por causa da dificuldade enfrentada pelos estrangeiros em conseguir trabalho.

“Eles [os migrantes] estão tomando consciência do desemprego e da dificuldade de obter documentos para quem quer entrar no país pela via legal. Quem vem, não encontra vida fácil”, opinou o padre Agler Cherizier.

A decepção imposta pelas dificuldades fazia com que os quatro haitianos, por exemplo, já defendessem um endurecimento do governo brasileiro, que desde 2012 concede vistos humanitários aos migrantes do Haiti que entram no país de forma ilegal. “O Brasil precisava fechar as portas, porque tem muito haitiano e pouco trabalho”, defendeu Avreius.

O padre Agler pondera que os governos do Brasil e Haiti deveriam atuar de forma a romper com o caminho ilegal que haitianos têm trilhado para chegar, por meio da ação de “coiotes”. “Essas pessoas se aproveitam do fato de o governo dar visto humanitário e exploram o sonho de vida melhor desses haitianos. Esse controle precisava ser melhorado”, disse Agler.

Após nove meses de espera, Jean Claude Avreius conseguiu, na última sexta-feira, seu primeiro emprego no Brasil. Por intermédio da Pastoral, uma madeireira o contratou. O rapaz, que carrega na carteira foto da esposa e dos dois filhos deixados no Haiti, vê no trabalho uma oportunidade para juntar dinheiro e fazer o caminho de volta. “O Brasil foi uma decepção”, definiu.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.