i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Dez anos de estrada

  • Por
  • 22/11/2008 21:11

Sônia de Fátima Rocha tem 39 anos e mora em Ponta Grossa, nos Campos Gerais. Aos 30 anos, iniciou uma rotina que mantém até hoje. Ela viaja constantemente para Curitiba para fazer tratamento de lúpus no sangue e labirinto. O lúpus é uma doença crônica que ataca o sistema imunológico, além de afetar o funcionamento de outros órgãos, como o rim. Para evitar seções de hemodiálise, ela é submetida à pulsoterapia, que dura duas horas e é semelhante à quimioterapia. O tratamento provoca vômitos e dores no corpo que, aliados ao cansaço da viagem à capital, deixam Sônia debilitada.

A paciente conta que nesses quase 10 anos já passou muitas dificuldades. Para usar o transporte da prefeitura até Curitiba, ela precisava pegar o último coletivo do dia anterior para esperar o horário da partida. Não raro, cochilava nas cadeiras o Pronto Socorro. Agora, ela depende da carona do cunhado que a leva até o Clube Guaíra, onde há colchonete e lanche disponíveis.

Sônia sempre viaja com um parente. O tratamento termina ainda no período da manhã, mas ela tem de passar o dia em Curitiba enquanto espera o tratamento dos demais pacientes. As viagens devem continuar intensas até abril do ano que vem, quando termina a pulsoterapia. Mesmo assim, terá que fazer o acompanhamento na capital. Ela acredita que a situação tende a melhorar. A esperança é de que a construção do Hospital Regional, em Ponta Grossa, mude a situação. Com o hospital virão especialistas e tratamentos mais complexos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.