i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polícia Militar

Dificuldade de articulação enfraquece protesto de mulheres de PM’s

Esposas de policias fariam um novo protesto nesta sexta, mas só três compareceram. Informações desencontradas e dificuldades de comunicação impediram organização

  • PorFelippe Aníbal
  • 12/03/2010 18:11

Depois de terem se manifestado na noite de quinta-feira (11) em frente ao 13º Batalhão da Polícia Militar, os familiares – especialmente as esposas – de policiais militares encontraram dificuldades para se articular e consolidar o movimento de protesto contra a proposta de reajuste salarial da categoria . Na noite desta sexta-feira (12), as mulheres promoveriam uma nova manifestação, mas, por volta das 20h30, apenas três esposas de PM’s estavam na frente do Batalhão. Os policiais militares são proibidos por lei de fazer qualquer tipo de paralisação ou greve. Por isso, familiares costumam ser chamados para realizarem os protestos.

Segundo a mulher de um policial, o desencontro de informações e a dificuldade de se estabelecer uma comunicação efetiva com os familiares dos PM’s têm dificultado a articulação do movimento. Na noite de sexta, as três mulheres aguardavam a chegada de três ônibus vindos do Norte do estado, que trariam esposas de policiais daquela região. Entretanto, elas não haviam recebido a confirmação de que a caravana, de fato, viria a Curitiba. "Por não conseguirmos um contato direto com as esposas de policiais, não estamos conseguindo nos organizar. Isso está dificultando bastante", disse Ketlyn Adade, casada com um PM.

Na manifestação promovida na quinta, as mulheres preencheram listas, informando os telefones para combinarem novos protestos. A articulação ainda é feita no "boca a boca", com as integrantes do movimento repassando os convites e as informações umas às outras. Apesar dos entraves, o grupo promete tentar articular novas manifestações ao longo do final de semana. "Eu como cidadã tenho direito de me manifestar e de protestar contra este absurdo", disse Ketlyn.

Além da dificuldade de comunicação, as esposas de muitos policiais militares, apesar de não poderem ser penalizadas diretamente, não aderem aos protestos temendo que seus maridos sofram represálias. Principalmente depois que o governador Roberto Requião disse que trataria a greve dos policiais com "cadeia e rua". Nas viaturas do 13º Batalhão, a frequência dos rádios foram isoladas, para evitar que os PM’s se articulem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.