Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O fato de fazer parte da região metropolitana de Curitiba não garantiu ao município de Doutor Ulysses uma integração maior. Quem quer ir a Doutor Ulysses, partindo de Curitiba, terá de enfrentar três horas de uma viagem cansativa, principalmente, no trecho a partir de Cerro Azul.

Além das curvas, a partir deste ponto, o viajante passa a enfrentar, por 55 quilômetros, uma estrada de chão perigosa e tomada por caminhões carregados de pínus, principal atividade do município. Com tanto isolamento, a cidade alcançou a antepenúltima colocação noaestado no ranking de desenvolvimento, de acordo com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) de 2007 (o mais recente).

Segundo os moradores, em dias secos, a poeira irrita, suja e incomoda. Em dias de chuva, o município chega a ficar isolado. Com a lama que se forma, a estrada fica intransitável. Quem está doente, tem de contar com a própria sorte. Sem um hospital, o município envia seus pacientes para consultas ao Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul. Para tanto, os pacientes embarcam 3 ou 4 horas da manhã e só voltam tarde da noite. Numa situação de emergência, a torcida é para que o paciente aguente chegar a Cerro Azul, município mais próximo.

O aposentado João Batista dos Santos, 78 anos, conta que para se submeter a sessões de radioterapia teve de se mudar temporariamente da cidade em que vive há 40 anos. Na economia, mais problemas. As empresas que se interessam em se instalar no município logo desistem quando descobrem que não há acesso pavimentado, conta o chefe de gabinete da prefeitura, José Paulo Bitencourt.

Para o vereador Jozebeu de Paula, a estrada que passa por Doutor Ulysses poderia servir de ligação ao estado de São Paulo e ao Norte do Paraná. "Nós estamos a 72 quilômetros de Itararé, São Paulo, e a 62 quilômetros de Ja­­guaraíva", explica. Se houvesse estrada, apostam os ulyssenses, o futuro seria promissor. "Cerro Azul também não tinha estrada asfaltada há cinco anos. Depois que recebeu, cresceu", avalia Bitencourt. "Nós podíamos ex­­plorar o turismo aqui. Nós temos cachoeiras e grutas de pedras linda", afirma Paula.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]