Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Mariana Fadel, Ana Paula Silveiro Franciosi, e Gabriele Groh: qualidade e preço ajudam a compor o cardápio seleto | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Mariana Fadel, Ana Paula Silveiro Franciosi, e Gabriele Groh: qualidade e preço ajudam a compor o cardápio seleto| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Nada de milho cozido, churros ou cerveja da promoção. Em Balneário Camboriú, no Litoral de Santa Catarina, os adeptos da “farofa chique” fazem da estadia nas areias da Barra Sul um momento de degustação de petiscos gourmet e bebidas caras. Ganham espaço entre os veranistas as porções de frutos do mar trazidas de casa, vinhos gelados e até garrafas de champanhe.

De Curitiba, a psicóloga Ana Paula Silveiro Franciosi, de 38 anos, conta que procura revezar com amigos e familiares o cardápio na areia.

No fim de semana passado, por exemplo, o grupo alternou entre uma receita de camarão com alho poró e gengibre na manteiga, no sábado (21); e lulas à milanesa, no domingo (22). Durante a semana, a programação do que levar à praia teve kibe cru e canudinhos recheados com maionese. A refeição é preparada no apartamento onde a psicóloga está, de frente para a orla.

“Cada dia, uma pessoa cozinha algo. Deixamos tudo pronto e só buscamos rapidinho na hora do almoço”, comenta a veranista. Os amigos mais exigentes, observa Ana Paula, também levam na bolsa térmica cervejas artesanais para acompanhar esses petiscos.

Os empresários Marcelo Habitzreuter, Mariana Fadel e Gabriele Groh, de Brusque (SC), aproveitam a praia com vinho brancoDaniel Castellano/Gazeta do Povo

Os empresários Mariana Fadel, 28, Gabriele Groh, 27, e Marcelo Habitzreuter, 29, de Brusque (SC), preferem se refrescar perto do mar com uma taça de vinho branco. Os rótulos podem ser nacionais ou importados, desde que estejam bem gelados. “Tomamos duas, três garrafas por dia. O bom do vinho é que não dá barriga como a cerveja”, brinca Mariana.

Ela e Gabriele também gostam de levar à praia porções de frutos do mar, como de camarão empanado. Deixam para comprar de ambulantes apenas uma saladinha de frutas e uma caipirinha em algum quiosque mais próximo. “O restante é fácil de fazer em casa e trazer. Também fica mais barato e de qualidade”, defende Gabriele.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]