i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
posição firme

Em posse de novo comandante da PM, Richa reafirma que havia grupos radicais entre professores

“Os soldados da PM foram agredidos por grupos radicais que não estavam ali para se manifestar pacificamente”, afirmou o governador do Paraná

  • PorDiego Antonelli
  • 21/05/2015 14:13
Beto Richa, governador do Paraná, discursou durante a posse de Maurício Tortato como comandante da PM | Aliocha Mauricio/Tribuna do Paraná
Beto Richa, governador do Paraná, discursou durante a posse de Maurício Tortato como comandante da PM| Foto: Aliocha Mauricio/Tribuna do Paraná

Na solenidade da troca de comando da Policia Militar do Paraná (PM-PR), realizada na manhã desta quinta-feira (21), o governador Beto Richa (PSDB) voltou a afirmar que a Polícia Militar (PM) foi atacada por radicais infiltrados entre os professores no episódio do dia 29 de abril, em que 213 pessoas ficaram feridas na chamada “batalha do Centro Cívico”, em Curitiba. Na ocasião, os manifestantes protestavam contra a votação da lei que mudou o regime previdenciário dos servidores públicos estaduais.

Perfil

O coronel Maurício Tortato ingressou na Polícia Militar do Paraná em 1985 e tornou-se aspirante em 1987. Como oficial superior, comandou o 17º Batalhão da PM, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Foi também diretor da Diretoria de Apoio Logístico (DAL) da corporação; chefe do Estado-Maior e responsável pela Corregedoria da PM. Ele ocupava, até então, a diretoria-geral da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária.

No discurso da posse do novo comandante, o coronel Maurício Tortato, que assumiu o cargo depois que o ex-comandante Cesar Kogut pediu exoneração, Richa voltou a afirmar que os mais de 1,6 mil policiais que atuaram naquele episódio tinham sido agredidos pelos manifestantes. “Os soldados da PM foram agredidos por grupos radicais que não estavam ali para se manifestar pacificamente. Estavam infiltrados no movimento e queriam invadir a Assembleia Legislativa”, afirmou.

Ele também disse que os integrantes desse suposto grupo queriam desgastar a imagem política do governo. No entanto, até o momento, não foi comprovado que nenhum manifestante fazia parte de qualquer grupo radical, como os que usam a tática “black bloc”. Tanto que, no dia 1.º de maio, a Defensoria Pública do Estado do Paraná e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) se pronunciaram afirmando que nenhum dos detidos na manifestação daquele dia era um “black bloc” ou portava artefatos perigosos.

Sequelas da batalha do Centro Cívico

Feridos enquanto protestavam contam como convivem com o medo e com as cicatrizes que podem persistir por toda a vida

Leia a matéria completa

Antes do início da solenidade, durante entrevista a jornalistas, Richa havia dito que a PM só estava no Centro Cívico naquele dia para garantir a ordem. “O evento lamentável aconteceu na tentativa de se evitar a invasão para garantir o funcionamento da Assembleia. Cada um dos 54 tem a legitimidade do voto popular independente do posicionamento ou projeto”, disse o governador. Ele chegou a declarar que esses “grupos radicais queriam o confronto e até um defunto para marcar o episódio e consequente a mim”.

Recomendações técnicas foram ignoradas na “Batalha do Centro Cívico”

Entenda quais pontos devem ser foco dos inquéritos do Ministério Público e da Polícia Militar que investigam o ataque da polícia aos professores no dia 29 de abril

Leia a matéria completa
Governador critica a greve dos professores

Ele também classificou a greve dos professores como um ato com motivação política. “É uma greve sem objeto definido. Sem pauta definida. Uma hora é a votação na Assembleia, outra hora é data-base”, disse.

Para ele, a manifestação tem cunho político para desestabilizar seu governo. “E para desviar todos os escândalos que tomam conta do Brasil”, completou.

Ele disse que não o reajuste dos servidores não pode ser superior aos 5% devido à realidade financeira do estado. “Não podemos prejudicar outros setores. As pessoas pensam que o governo fabrica dinheiro. O dinheiro é oriundo dos tributos dos cidadãos”, afirmou.

Denúncia de “caixa 2” na campanha eleitoral

Em relação às denúncias de que sua campanha teria feito contabilidade paralela, o chamado “caixa 2”, Richa classificou as acusações como uma “falácia” e uma “armação”.

Estrutura

A falta de estrutura para a PM trabalhar, como a falta de viaturas, é um dos desafios do novo comandante. Ele quer tratar dessas necessidades com prioridade e dialoga com o governo estadual para que ocorram investimentos neste quesito. “Temos que reconhecer o momento de austeridade fiscal e nos inserir dentro desse processo. Mas lá conversei com equipe da Secretaria de Administração e da Secretaria de Segurança Pública para priorizar condições mínimas de logística para a Polícia Militar poder prestar os serviços que a população merece”, afirmou.

Novo comandante fala sobre recuperar a imagem da PM

Já o novo comandante da PM, Maurício Tortato, acredita não se pode tomar nenhuma decisão precipitada. Como a operação do dia 29 de abril é alvo de um inquérito do Ministério Público do Estado (MP), ele disse que prefere não se pronunciar especificamente sobre o caso. Mesmo assim, aponta algumas necessidades que devem ser adotadas pela instituição. “Vamos adotar os mecanismos de correção, promover estudo de caso e avançar em termos de tecnologia, inteligência e procedimentos operacional”, disse.

Segundo ele, a corporação é maior que o evento do dia 29 de abril e que irá trabalhar para recuperar a imagem da PM perante a sociedade. “Problemas nós teremos sempre. Agora temos muito serviço para conseguir nesse momento de relativa fragilidade resgatar toda tradição histórica da PM”, afirmou.

Ele aponta que a PM precisa mostrar serviço para a imagem da Polícia Militar melhorar. “É A PM cumprindo seu papel de preservar ordem pública, que não seja voltada ao marginal, focada na segurança do cidadã. Assim, conseguirmos reconquistar todo esse processo porque temos passado e tradição histórica”, afirmou.

Ele afirmou que foi um dos três coronéis que não assinaram a carta de repúdio às declarações do secretário de Segurança, Fernando Francischini, relativas ao confronto da polícia com professores e manifestantes no Centro Cívico. A carta foi assinada por 16 dos 19 coronéis da ativa. “Estava em férias e não assinei, mas se presente estivesse, assinaria”, disse.

Denúncias de abuso de autoridade na Vila Torres

O novo comandante da PM disse também que irá apurar denúncias de abuso de autoridade na Vila das Torres, como as noticiadas pela Gazeta do Povo na semana passada. “Os desvios de conduta em uma corporação com 20 mil homens infelizmente acontecem. Vamos atuar dentro dos nossos argumentos. Aqueles que ultrapassam os limites da lei irão responder com a intensidades dos seus atos”, disse. Em relação ao porte de armas dos policiais, o novo comandante afirmou que irá reavaliar o uso de arma por PMs durante horário de folga em locais de grande aglomeração pública, como bares, shows e estádios de futebol.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.