i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
VIOLÊNCIA

Em seis dias, quatro PMs morrem e um é espancado em Curitiba e região

Casos aconteceram em três bairros de Curitiba e em Colombo, na região metropolitana. Investigações mostram que ocorrências não tem relação entre si

  • PorDa Redação
  • 24/01/2016 11:26

Em menos de uma semana, quatro policiais militares morreram assassinados e um foi espancado na região de Curitiba. Os casos aconteceram nos bairros Fazendinha, Sítio Cercado, Fanny - na capital - e em Colombo, na região metropolitana. De acordo com as investigações, as mortes não têm relação entre si.

Correção

Ao contrário do que inicialmente noticiado pela Gazeta do Povo, o policial militar Kleber da Silva Ribeiro não foi vítima de agressão

Na madrugada de segunda-feira (18), o soldado Lisandro Lara de Moraes Júnior, de 29 anos, da tropa de choque do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Polícia Militar (PM), morreu após ficar internado desde o começo do mês no Hospital do Trabalhador. Ele havia sido baleado durante uma tentativa de assalto ao comércio de sua família no bairro Fazendinha.

Já na noite de terça-feira (19), os policiais militares Nilson Pinheiro da Veiga e James Wilson Camargo foram assassinados.

Veiga, de 38 anos, trabalhava há oito na polícia e foi executado no Sítio Cercado, em Curitiba. Um suspeito de sua morte foi detido na sexta-feira (23). Segundo informações repassadas por policiais à reportagem,ele seria um policial militar da reserva. A Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp), porém, não confirmou nenhuma informação sobre a identidade do detido.

O outro caso no mesmo dia foi o do policial militar James Wilson Camargo, de 39 anos, morto em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, poucos minutos depois do assassinato de Veiga. Apesar da coincidência, a PM e a Polícia Civil descartaram qualquer conexão entre os dois crimes. A morte aconteceu nas proximidades de um posto de combustíveis na BR-116. Um suspeito foi detido na quarta-feira (20). Um suspeito foi preso.

Polícia Civil apura caso de suspeito morto por PMs dentro de casa

Leia a matéria completa

Já neste final de semana, o soldado Newton Cesar Bittencourt Júnior, da Polícia Militar de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, foi baleado na cabeça após reagir a um assalto no bairro Olaria, na madrugada deste sábado (23). De acordo com informações do 22° Batalhão da PM, os criminosos levaram o carro do policial, que estava não estava trabalhando no momento do assalto. Ele tinha 29 anos.

O carro de Júnior foi encontrado abandonado, por moradores da região. O policial foi encaminhado ao Hospital Evangélico, passou por diversas cirurgias, mas não resistiu aos ferimentos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.