i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Vazamento

Empresa não tinha licença do IAP para armazenar líquidos em Paranaguá

A APM Terminals alegou estar em dia com o Mapa. A empresa afirmou também que as causas do incêndio ainda não foram determinadas

  • PorGisele Eberspächer, especial para Gazeta do Povo
  • 18/01/2014 15:09

A empresa Brasmar, nome fantasia da APM Terminals do Brasil, afirmou não possuir a licença correta do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para operar com produtos líquidos na sede que sofreu um incêndio na madrugada de quarta-feira (15), causando vazamento de fertilizantes estocados da empresa na região de mangue próxima ao Rio Emboguaçu. A informação foi dada em coletiva de imprensa na tarde deste sábado (18).

"Estamos verificando internamente o motivo pela falha de licença para a operação. O que nós temos é a documentação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)", explica a gerente jurídica da empresa, Jackeline de Oliveira. A reportagem não conseguiu confirmar essa licença.

Ainda na coletiva de imprensa, Jackeline afirma que as causas do incêndio não foram determinadas, assim como o prejuízo que a empresa teve com o incidente. "Como o prédio administrativo também se incendiou, perdemos muito das informações sobre as operações da sede. Estamos trabalhando para recuperar tudo isso", relata Jackeline.

A empresa declarou ainda não saber qual foi a quantidade de fertilizante que vazou na região e afeta moradores e pescadores. A fumaça do incêndio continua na região da empresa e moradores devem usar máscaras para evitar problemas respiratórios.

"Estamos procurando soluções para as situações ambientais e sociais", afirma Jackeline.

Segundo a zeladora Sônia Regina Inácio Alves, moradora da região, o incêndio causou um grande dano para a população local. "Estamos nos sentindo muito mal aqui. Desde que começou, ficamos com a casa fechada e temos que limpar tudo mais de uma vez por dia. Estamos bem desanimados", conta.

Antônio Augusto da Silva, dono de um aviário na mesma região, conta que apesar da fumaça a situação já melhorou em relação aos dias anteriores. "Agora temos que esperar que se resolva tudo o mais rápido possível".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.