i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Entidade questiona governo por prazo de 60 dias para tratamento contra câncer

Instituto Oncoguia levanta o fato de a portaria não definir o início da contagem do prazo no momento em que foi dado o laudo pelo patologista

  • PorFolhapress
  • 31/05/2013 09:09

Por receio de descumprimento do prazo máximo de 60 dias para o início do tratamento do câncer na rede pública, o Instituto Oncoguia apresentou uma representação ao Ministério Público Federal.

O documento contesta a portaria do Ministério da Saúde publicada há duas semanas, que detalha a aplicação da lei que instituiu o prazo. O instituto questiona o fato de a portaria não definir o início da contagem do prazo no momento em que foi dado o laudo pelo patologista --logo após análise laboratorial.

A portaria do ministério começa a contagem a partir do "registro do diagnóstico no prontuário do paciente".

Com isso, avalia o instituto, o prazo pode passar a correr apenas quando o laudo for devolvido ao serviço de saúde ou na primeiro consulta com o médico após a emissão do laudo --o que poderia atrasar o início do tratamento em até algumas semanas.

"Embora possa parecer sutil, essa discrepância pode representar a diferença entre a vida e a morte do paciente (...) A lei é clara ao dizer que o prazo se inicia da assinatura do laudo e não do registro do laudo no prontuário do paciente", diz o documento entregue na semana passada.

Para Tiago Matos, diretor jurídico do Oncoguia, o modelo adotado pelo ministério "abre brecha para uma dilação irresponsável do prazo".

A entidade solicitou ao Ministério Público Federal providências para garantir o cumprimento do prazo desde a assinatura do laudo.

Segundo o secretário de atenção à saúde do ministério, Helvécio Magalhães, o receio faz sentido. "A preocupação procede, mas estamos atentos a isso", afirma ele.

Magalhães defende que brechas como essa não existirão a partir de agosto, quando todos os serviços de saúde passarão a alimentar o sistema online de acompanhamento dos casos de câncer, lançado há duas semanas.

No sistema, continua ele, quem fizer a análise laboratorial e detectar um câncer já terá que informar esse diagnóstico ao sistema --passando a contar, então, o prazo dos 60 dias. Quem não fizer desta forma, não receberá o custeio do tratamento, alerta o ministério.

Lei

O ministério apresentou, na quinta, a regulamentação da lei sancionada em novembro passado. O detalhamento prevê a utilização de um novo sistema nacional de monitoramento da doença, com acompanhamento do prazo entre o diagnóstico e o início efetivo do tratamento. A partir de agosto, o pagamento pela União do tratamento contra o câncer ficará vinculado ao preenchimento correto do sistema.

Os prazos para o início do tratamento apresentados podem ter defasagem de até três anos, de acordo com Padilha. Apenas o novo sistema permitirá o acompanhamento online dos prazos.

A pasta também instituiu um comitê de monitoramento da lei. Equipes devem fiscalizar, nos hospitais, o cumprimento da norma. Auditorias feitas que identificarem o descumprimento da norma podem levar a punições administrativas ou a determinações pelo Ministério Público, disse o ministro.

Hoje 277 serviços estão habilitados para o tratamento oncológico no país, 134 deles no Sudeste.

O governo estabeleceu exceções ao cumprimento do prazo de 60 dias: câncer de pele não melanótico (segundo a pasta, o tratamento é feito em paralelo ao diagnóstico), câncer de tireóide sem fatores clínicos de piora e casos mais avançados, que requerem mais o tratamento paliativo que o curativo.

Verbas

O ministério divulgou, ainda, o modelo de funcionamento da chamada "Lei Rouanet do câncer", mecanismo que permitirá a dedução fiscal para destinação de verbas para pesquisa e atendimento contra o câncer.

"O fluxo será: entidades sem fins lucrativos se credenciam ao SUS, apresentam projetos pactuados com gestores locais, os projetos são avaliados internamente com parâmetros técnicos, os doadores podem deduzir até 1% do Imposto de Renda devido", explicou Patrícia Sampaio, coordenadora de oncologia da pasta.

O mecanismo estava previsto em uma outra proposta aprovada pelo Congresso Nacional. Segundo o ministro, uma modificação foi feita no texto original e esse mecanismo passaria a disputar recursos com a cultura e o esporte --por esse motivo, houve veto de parte da lei. Padilha afirmou que um novo texto já foi encaminhado ao Congresso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.